Duarte Libano Monteiro –
Country Manager, Ebury Portugal

Como é que a Ebury, enquanto organização, está a reagir aos desafios deste surto epidemiológico?

A Ebury Portugal, face à atual crise do Covid-19, e em prol da segurança dos seus colaboradores e dos demais, está desde o dia 13 de Março a 100% em teletrabalho assegurando todos os seus serviços, com a devida normalidade. Como organização baseada na Cloud, a Ebury sempre esteve muito bem posicionada para operar a partir de qualquer lugar. Isso foi fundamental para apoiar o rápido crescimento dos últimos 10 anos. Com este recurso essencial é possível continuar a fornecer todos os serviços aos clientes neste momento crítico.

Todos os serviços da Ebury continuam totalmente operacionais. A tecnologia utilizada pela Ebury permite que os pagamentos e transações internacionais sejam processados normalmente através do gestor de conta ou do Ebury Online (uma plataforma da Ebury), disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Com 1000 colaboradores em 21 países, esta digitalização facilita todas as operações mundiais, que, na verdade, eram já uma constante no nosso dia-a-dia.

 

Qual a importância de um plano de continuidade de negócio na v/ actividade atendendo à ameaça global que atravessamos com o Covid-19?

O negócio da Ebury está a decorrer normalmente e em pleno funcionamento. Continuamos a apostar, a acreditar e a incentivar a internacionalização das empresas portuguesas, sendo que atuamos como agente facilitador nas várias vertentes desse processo. Um bom plano de continuidade é essencial para o funcionamento de uma empresa, e no caso da Ebury em 48h tínhamos mais de 1000 colaboradores em mais de 20 países a trabalhar em teletrabalho mantendo o mesmo nível de serviço e assegurando os tempos de resposta aos nossos clientes. Pagamentos e recebimentos continuam a efectuar-se em diferentes moedas garantindo assim o rápido pagamento e rápido recebimento dos nossos clientes, ajudando a manter as tesourarias das empresas o mais estáveis possível, e garantindo a saúde dos nossos colaboradores.

 

Até que ponto a sociedade depende da transição para o digital para a sua sobrevivência, atendendo a que uma boa parte da economia em Portugal ainda é conservadora no capítulo da desmaterialização?

A transformação digital tem sido uma evolução natural para as empresas nos últimos tempos. No caso da Ebury, já iniciámos o percurso nesse sentido há bastante tempo, pelo que a digitalização da nossa actividade sempre foi uma constante. Isso permite agilidade nos processos bem como redução de custos, o que fornece aos nossos 1500 clientes uma resposta mais prática e eficaz para as suas necessidades. Em termos gerais, essa transformação foi acelerada nesta fase, por força das circunstâncias, nas empresas que operam em Portugal. Algumas de forma mais rápida e assertiva, e outras de forma mais complexa, devido aos sectores em que atuam. Mas penso que, em termos gerais, temos visto uma adaptação muito positiva neste sentido, com as empresas a rapidamente se adaptarem às circunstâncias e também a aproveitarem as oportunidades que até aqui não viam como fundamentais. Importante mencionar que em certos sectores, como a indústria, não é tão fácil a digitalização dos seus processos e para certas empresas é essencial que continuem com pessoas a trabalharem no dia a dia, para garantir o funcionamento do país e garantirem os bens e serviços essenciais.

 

Deixaria algum conselho às empresas do sector fintech no que respeita à definição, por design, deste tipo de planos de contingência enquanto instrumentos fundamentais do negócio?

Sendo as fintechs, por natureza, baseadas no digital, é importante que tirem partido desse seu habitat natural e facilidade de reinvenção em relação à banca e demais entidades do sector financeiro. Assim, devem permitir-se sempre desconstruírem-se e reajustarem-se aos momentos como o actual.

 

Quais as lições para o futuro que os negócios devem retirar deste tipo de fenómeno?

Fenómenos como este demonstram que os mercados podem ser muito voláteis e que devemos estar capacitados para trabalhar com plataformas digitais e de colaboração bem como contar com equipas transversais bem preparadas, dotadas de capacidade de adaptação e espírito inovador, como é o caso da Ebury. De qualquer forma, gostaria de realçar a adaptabilidade e resiliência das empresas portuguesas num momento como este.

Events during COVID-19

We are traversing some uncertain times, changing the day to day functioning of many businesses. This is no different for our Chamber of Commerce, however, we are adapting to a new reality and the challenges that they bring.

Our Chamber will continue to organise webinars and events on a virtual platform, allowing members to continue to meet and network and share knowledge and ideas.

Stay tuned in to our events by making sure that your email is on our mailing list!

Estamos a atravessar tempos incrivelmente incertos com o modo de funcionamento do dia a dia de muitas empresas a mudar. Para a nossa Câmara de Comércio a situação não é diferente, estamos a adaptar-nos a uma nova realidade com os desafios inerentes.

Contudo a Câmara de Comércio Luso-Britânica vai manter a organização de eventos, agora num ambiente virtual, onde os associados podem continuar a reunir-se para ter acesso a informações úties assim como trocar ideias e experiências.

Mantenha-se informado(a) e não perca a oportunidade de participar, adicione o seu email à nossa mailing list.