José Esfola – Xerox

José Esfola

José Esfola, nascido em 1966 em águas de moura, conta com mais de 20 anos de experiência em funções de gestão e liderança, em vários contextos e mercados. Frequentou o programa academia de executivos do INSEAD (Executive Academy Program), o VP Development Program do centro de liderança CREATIVA (Center for Creative Leadership – USA) e o Programa Avançado de Gestão para Executivos (PAGE) da Universidade Católica Portuguesa.

Forte experiência acumulada de mais de 3 décadas na Xerox Portugal, onde foi responsável por várias áreas comerciais a nível nacional. Determinado e fortemente orientado aos resultados, foi consolidando ao longo da sua carreira, uma experiência relevante e com excelentes resultados na área da gestão e da liderança de equipas comerciais e multidisciplinares.

Em 2017 assumiu o cargo de Iberia Channels General Manager, para em 2018 assumir a Direcção Geral da Xerox Portugal com o objectivo de reforçar o desempenho da operação em Portugal, que está ao nível das melhores a nível mundial.

José Esfola Leadership

A Transformação e Inovação são desde sempre um foco da actividade da Xerox, e não resisto a referir que algo tão comum nos dias de hoje, como o “Rato”, as Janelas Múltiplas em Écran de Computador, a Impressão Laser, a Rede Ethernet, entre tantas outras inovações, são exemplos que saíram dos Laboratórios da Xerox nestes 114 anos da sua existência.

Seremos certamente das poucas empresas de tecnologia com esta longevidade e esta capacidade de se reinventar e inovar, e esta cultura, este modus-vivendi está bem patente no nosso desempenho em Portugal, já que somos umas das Operações com melhor desempenho em todo o mundo e isso deve-se às pes- soas, que hoje estão mais do que nunca empenhadas em apoiar, desesenvolver e suportar projectos de Transformação Digital com clientes e parceiros de negócio.

Um estudo recente da Xerox “Future of Work” revelou que, no inicio de 2020 mais de 60% das empresas ainda estavam à procura do melhor momento para iniciar verdadeiros projectos de transformação digital e implementar novas tecnologias para suportar a for- ma como o trabalho era realizado.

 

Na verdade a vertigem dos acontecimentos tornou bastante visível a realidade vivida em muitas organizações, onde existem sistemas que não comunicam, workflows baseados em papel e trabalhadores que não possuem ferramentas de trabalho remoto.

Muitas das empresas, depararam-se de um dia para o outro, no centro de uma transformação tecnológica, para a qual não estavam preparadas.

As empresas e organizações foram empurradas para  a decisão de colocar os seus colaboradores em tele-trabalho e todos tiveram que se adaptar à mudança de criar novas rotinas, novas formas de interagir, de aceder à informação, aos sistemas, no fundo de realizar as suas tarefas, fora do local de trabalho tradicional.

Este é o primeiro paradigma que está a mudar: a alteração do local físico do trabalho.

Neste sentido, os conceitos de mobilidade e digitalização são um caminho que as empresas estão a en- tender como crucial, mas onde ainda não está tudo feito. As organizações estão agora a perceber que digitalização é uma coisa e alteração de processos e eficácia dos mesmos é outra.

As empresas compreenderam que pequenos elementos de automação não são sinónimo de uma empresa digital, porque transformação digital é mais do que converter documentos em papel, em arquivos digitais.

A verdadeira transformação digital envolve a criação de uma solução end-to-end que inclui digitalização, indexação, armazenamento, partilha, impressão (caso necessário) de documentos e automatização de fluxos de trabalho, simples e complexos, assentes nos mais exigentes níveis de segurança.

O segundo paradigma que está a mudar é o de que o trabalho remoto é tão ou mais produtivo do que tra- balhar no espaço do escritório/empresa.

Preocupações pré-existentes relacionadas com o tra- balho remoto, foram postas de lado à mesma velocidade com que os decisores aceleraram estratégias de digitalização, para aprimorar a forma como continuavam a desenvolver os seus negócios tentando manter exequível a experiência de teletrabalho dos colaboradores e fazendo um esforço sem precedentes para garantir a melhor experiência aos seus clientes.

As tendências que surgiram em 2020, incluindo a de uma organização de trabalho híbrida, onde coabitam ferramentas de trabalho presencial e de colaboração digital, continua a ganhar força em 2021 e a maioria dos estudos indica que veio mesmo para ficar, e por imposição dos colaboradores.

Segundo uma pesquisa global da Salesforce feita a mais de 20.000 pessoas em todo o mundo, 60% dos entrevistados esperam puder continuar em trabalho remoto, mesmo após o levantamento do confinamento.

A pandemia da COVID-19 tem vindo a testar a capacidade de resposta das empresas fornecedoras de soluções de TI aos desafios das organizações, e este contexto está a trazer mudanças no mercado.

A pandemia levará por certo empresas de todos os setores a fazer mudanças duradouras nas suas políticas de trabalho e a procurarem soluções para proteger os seus negócios a longo prazo.

Para nós na Xerox, acreditamos que a resposta para estes desafios, assenta em 3 pilares: Tecnologia, Informação e Automação. A perfeita integração destes pilares será a resposta para um trabalho mais inteligente, a partir de qualquer lugar, e que conduz ao aumento da produtividade. Não porque se trabalha mais. Mas porque se trabalha melhor.

Tudo está em mudança e a ser impulsionado por um motor global, inovador e transformador a que pode-mos chamar de “tecnologia inteligente” e o próximo conjunto de inovações resultará do cruzamento entre o mundo físico e o digital, criando experiências revolucionárias.

A transformação digital das organizações passa por transformar documentos em papel não apenas em arquivos digitais, mas em verdadeiros recursos digitais.

Digitalizar é o mais fácil, mas o desafio está em arquivar e indexar, ter a capacidade para recolher informação instantaneamente, gerir informação sensível de forma segura, e depois colocar os dados ao serviço do sucesso do negócio.

O mais importante de um documento é a informação e os dados que nele constam, por isso as empresas devem optar por uma solução que torne os conteúdos, activos fundamentais para a organização. 

José Esfola Stairs

As empresas e os decisores compreendem que pequenos elementos de automação não são sinónimo de uma empresa digital, são no entanto boas formas de iniciar a automação de processos e criar um espirito de adopção para novas ideias e processos que transformem e automatizem.

Se dúvidas houvesse sobre a criticidade no que à transformação digital e implementação de ferramentas de mobilidade nas organizações diz respeito, a situação de pandemia que vivemos, veio sem dúvida tornar muito visível para todas as empresas a necessidade de aceleração deste processo.

E também nesta situação, a pandemia é totalmente democrática. Chega a todos os sectores e a empresas de todas as dimensões.

À medida que as empresas começam a planear os próximos meses e anos, estão a tomar decisões difíceis com as melhores informações disponíveis mais ainda com muitas incógnitas incluindo a possibilidade de a pandemia se estender no tempo. Em adicio

nal ao que já referimos anteriormente, o grande foco deverá estar na forma de trabalhar e colaborar, tornando o trabalho mais simples, seguro e o mais automatizado possível. Mas os decisores devem manter-se atentos a todas as evoluções que podem ocorrer. Se existe algo que os últimos meses nos mostraram é que, nada está garantido e que mesmo as mudanças mais recentes podem ser efémeras.

Sabemos que o regresso ao local de trabalho está a ocorrer, mas existem dúvidas de como será concretizado e que novas ferramentas serão necessárias para suportar uma realidade de trabalho híbrida (num misto de trabalho no escritório e remoto).

A verdade é que todas as empresas trabalham de forma diferente, mas num ponto não existem dúvidas. Não há trabalho remoto sem infraestrutura de TI, segura e conectada, sem cloud, sem ferramentas de colaboração e sem soluções tecnológicas adaptadas a um local de trabalho híbrido. Das tarefas mais simples às mais complexas, o trabalho tem de ser realizado  em qualquer local, sem impactos na produtividade e em especial, sem impactos na segurança da informação.

Embora a questão da saúde pública seja ainda um tema preocupante, já é possível vislumbrar um futuro, onde se espera que a vida e as rotinas voltem ao normal. Nesse sentido as organizações terão de decidir como será a dinâmica do dia a dia de trabalho: escolher entre um modelo híbrido, voltar totalmente ao modelo presencial ou adotar em definitivo um mo- delo de trabalho remoto. Este é um enorme desafio para as lideranças de topo, e os CIO’s assumirão um papel crucial seja qual for a decisão.

José Esfola-company

No meio de todos estes acontecimentos, quando se pensa no local de trabalho do presente e do futuro, toma cada vez mais força a ideia de que o modo como os colaboradores percecionam todas as vertentes da sua actividade profissional, é fundamental para o seu equilíbrio e satisfação.

A forma como nos sentimos no local de trabalho, influência a produtividade e pode resultar em ganhos acima do que se esperava pré-pandemia. E o desafio está cada vez mais assente na experiência de um Workplace Digital que promova a agilidade e incentive a adoção dos recursos tecnológicos e digitais disponíveis, garantindo que as organizações se podem focar nos seus objetivos de negócio.

Embora algumas empresas estejam desde já a implementar acções para passar em definitivo ao trabalho remoto, um estudo da Euax revela que apesar de existirem elevados níveis de produtividade operacional no trabalho remoto integral, também se perde a designada produtividade estratégica e inteligente e a longo prazo, isso, pode comprometer a cultura corporativa, o sucesso e a sustentabilidade das empresas.

O conceito de Workplace as a Service (WaaS), como uma extensão do conceito de Software as a Service (SaaS), é a resposta aos clientes que adiam os seus projectos de transição digital, por não conseguirem desfazer os silos internos que têm entre Hardware, Software, processos e agora modelos híbridos de trabalho.

Este conceito de Workplace as a Service (WaaS) está a ganhar relevância à medida que os fornecedores de TI conseguem entregar uma oferta de tecnologia e serviços flexível e que adiciona valor e produtividade.

Muitas vezes a tecnologia de que os clientes precisam para implementar workflows documentais digitais, gestão e partilha na cloud ou até mesmo para conversão de documentos de papel para digital (áudio, tradução, conversão, indexação); está já dentro das organizações e no centro da forma como se trabalha: Impressoras e Multifuncionais inteligentes (Smart MFP’s).

O investimento primário (Workplace) está assim realizado, sendo apenas necessário capacitar os equipamentos com as App’s adaptadas à forma como se trabalha e às necessidades dos seus colaboradores (Service), esta é uma das nossas respostas às crescentes necessidades e à forma simples de implementar “quick wins”.

No nosso país, estou plenamente convicto de a que a transformação digital, ou melhor dizendo a aceleração dos processos de transformação digital é absolutamente critica para o relançamento da economia. O nosso desafio como país, será o de mitigar as grandes diferenças que temos entre negócios e empresas altamente digitalizadas e as empresas que estiveram e estão mais expostas aos efeitos da Pandemia e que apresentam menos capacidade de utilização de tecnologia.

Para nós, para a Xerox, identificar oportunidades de transformação digital das organizações é um garante da capacidade de inovação, transformação e do estabelecimento das parcerias certas, para cumprir   o compromisso de transformar os desafios das empresas em resultados mensuráveis e sustentáveis ao longo dos anos.

Com mais de 18.000 patentes ativas, continuamos a realizar um forte investimento anual para cumprir a missão de quem tem no seu ADN, a inovação como pilar para a sustentabilidade e o crescimento.

Texto & Fotos
Career Choices

Events during COVID-19

We are traversing some uncertain times, changing the day to day functioning of many businesses. This is no different for our Chamber of Commerce, however, we are adapting to a new reality and the challenges that they bring.

Our Chamber will continue to organise webinars and events on a virtual platform, allowing members to continue to meet and network and share knowledge and ideas.

Stay tuned in to our events by making sure that your email is on our mailing list!

Estamos a atravessar tempos incrivelmente incertos com o modo de funcionamento do dia a dia de muitas empresas a mudar. Para a nossa Câmara de Comércio a situação não é diferente, estamos a adaptar-nos a uma nova realidade com os desafios inerentes.

Contudo a Câmara de Comércio Luso-Britânica vai manter a organização de eventos, agora num ambiente virtual, onde os associados podem continuar a reunir-se para ter acesso a informações úties assim como trocar ideias e experiências.

Mantenha-se informado(a) e não perca a oportunidade de participar, adicione o seu email à nossa mailing list.