Miguel Paes do Amaral

miguel-paes-do-amaral image

Client: Miguel Paes do Amaral

Website: http://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Pais_do_Amaral



Miguel Paes do Amaral - Life in the fast lane



A striking figure in Portugal's media sector, Miguel Paes do Amaral looks back on former times, shares his thoughts on the state of the nation and reveals the passions that drive him.

Miguel Paes do Amaral welcomes us, courteous as ever, in to his office in Amoreiras. We begin by recalling his childhood, spent in Mangualde until the age of eight. His recollections of this time in his life are few, apart from admitting to a normal childhood despite living in the family's magnificent home in the town centre and being the son of a count, with the status this brings. He does say, though, that "at that age I had no concept of this status. All I was interested in was playing football and playing cowboys." Friendships from this time dissolved as the years passed and with the move to Lisbon at the age of nine. Miguel went on to complete two years of his mechanical engineering degree in the city's Science Faculty, before graduating from the Instituto Superior Técnico.

Following university Miguel never actually got to use his degree professionally, and admits that he is still at a loss as to why he chose the course in the first place. "It might have been because I was good at maths and physics and still wasn't interested in economics and business." Jokingly, he adds that his choice may also have been down to his obsession with cars.

His attraction for the business world first appeared after he had completed his studies and sat down to ponder the sort of life he envisaged for the future. Given the instability and lack of potential in Portugal at the time, he set his sights on an international executive career. He gained an MBA at INSEAD, and was then hired by Goldman Sachs as an investment specialist. Of his subsequent move to New York he recalls the shock he felt at the discipline and energy he encountered in investment banking there. The culture of professionalism placed Portugal in a very poor light, which until 1974 had a protected economy and was therefore relatively undisciplined. Beginning in one of the world's four largest investment banks would prove a critical experience for Miguel - and in New York of all places - drastically shaping his future, especially in terms of the knowledge he acquired of the sector. If, for professional reasons, he had to live abroad today he wouldn't hesitate for a moment, especially if this would mean moving to the USA, England or Switzerland, in this order of preference.

Given its proximity to the river and the sea, and its wealth of heritage, Miguel Paes do Amaral considers Lisbon to be one of Europe's most beautiful capitals. Since Expo 98 he has noted significant improvements in the city, believing it better presented and looked after, even though its cultural portfolio is not as broad ranging as other capitals. "But it's a small city and therefore the cultural programme reflects its size and the cultural makeup of the Portuguese population."

His assessment of the country isn't quite so positive. Despite the quantum leap in terms of quality if we compare Portugal of today with how it was in the '80s, Miguel believes "that we are far from where we should be if we compare ourselves, say, with the development Spain, Ireland or the Czech Republic underwent in the same period." Highly critical of how the country has been governed during the last 20 years, he points the finger at the economic model followed, which he describes thus: "the concrete model, based on development at the cost of infrastructures and public works," adding: "if we study successful economies we will see that this was not the model they followed." The result is the absence of structural reforms and an economy that is hardly competitive when compared to Spain or Ireland.

Talking of recent years, our thoughts linger on one particular press title: O Independente, which marked the start of Miguel Paes do Amaral's association with the media sector. It all happened by pure chance, when his friend Luís Nobre Guedes invited him to become a shareholder of the newspaper. "I didn't see it as a business proposal, rather as an interesting project, engineered by people such as Paulo Portas and Miguel Esteves Cardoso, who were the best of the best in their generation in Portugal." Later, his international connections helped him see that the media sector isn't so much about power and influence, as he and many Portuguese had thought, but rather an interesting business proposal. This made him take a different view of Soci, the company that then owned O Independente. The rest is history, culminating in the creation of Media Capital, which owns various publications and radio stations, while its share in TVI, which it recently sold to Spanish giant Prisa. Miguel laments O Independente's final demise, but finds that it was preferable to watching on as a strong newspaper, which has a major impact on society "becomes a paper with few pages, no quality and little impact."

He believes Portugal's media to be an interesting and healthy sector, with good professionals, well positioned to confront today's challenges of growing digitalisation in distribution structures. Paes do Amaral was responsible for the sector's consolidation - today Portugal's two major media groups, Impresa and Media Capital share 50% of the nation's advertising revenue. He sees the very recent launch of new weekly newspaper Sol as "an act of great courage by investors, at a time when analysts predict that newspapers will cease altogether within 20 to 30 years".

Married with two daughters, one 18, the other 15, the pressure to successfully juggle family time with work time has now abated. My daughters hardly ever have time," he says. Summer and winter holidays are spent en famille, as are two other trips, spent together at the same time every year.

His passion for cars and for the adrenalin-charged challenge of racing and competition often take him abroad to participate in three types of competitions: Le Mans Series, which follows the rules of the Le Mans 24 Hours, where he races in his famous Lola; the Spanish GT Championship, where he drives a Porsche; and more relaxed, less competitive classic car races, whenever free from more important races. Miguel is fanatical about everything connected to car racing. "Every aspect of racing, from preparing the car, to discussing race strategies the set up with engineers the whole catalogue of variables that determine the final result of a race excites me and relieves stress." He is trying to take part in the Le Mans 24 Hours, if he is accepted that is, having to try his luck to gain one of the 55 places out of over 100 candidates.

Indeed, since relinquishing his executive role - he is now chairman and shareholder of Media Capital - Miguel finds he has more time to spend on his hobbies: cars, hunting (he's stopped big game hunting in Africa and now concentrates on partridge hunting), skiing and sailing. He is also an avid collector, in particular paintings and vintage cars. Asked as to possible future projects that take his fancy he cites the Lisbon-Dakar rally, which given the time involved (three weeks), he has yet to entertain. "There aren't that many things that I'd like to do, which I haven't yet done. In general, when I want to do something I do it. I've been lucky in that way. Now that I've got more time and the budget I need, maybe I'll consider the Lisbon-Dakar."

Future plans a plenty are joined by a wealth of possible business opportunities. "I'd like to create a simple structure that allows me to invest in projects, in Portugal or abroad in various sectors, such as finance, real estate or IT," explains Miguel. But that's all he says. After all, the best opportunities are the ones you keep quiet about.



Miguel Paes do Amaral - a vida em alta velocidade



Figura marcante dos media em Portugal, Miguel Paes do Amaral recorda outros tempos, partilha considerações sobre o nosso país e revela as paixões que o movem.

Miguel Paes do Amaral recebeu-nos, com a elegância que o caracteriza, no seu escritório das Amoreiras. Começámos por relembrar a infância, vivida até aos 8 anos em Mangualde. Não tem grandes recordações dessa altura, do que diz ter sido uma infância normal não fora o facto de viver na magnífica casa da família, situada no centro da vila, e ser o filho do conde, o que lhe dava um estatuto especial. Diz, porém, que "naquela idade não se dá por esse estatuto pois o que interessava era jogar futebol e brincar aos cowboys". As amizades dessa altura perderam-se com o tempo e com a distância. Aos 9 anos vem para Lisboa e mais tarde entra para a Faculdade de Ciências, onde faz os primeiros dois anos do curso de Engenharia Mecânica, terminando a licenciatura no Instituto Superior Técnico.

Nunca exerceu profissionalmente a área em que se formou e confessa que não sabe bem o porquê de a ter escolhido. "Talvez por ser bom a matemática e a física e ainda não estar desperto para as áreas da economia e negócios". Admite de seguida, bem-humorado, que talvez tivesse sido a sua já paixão pelos carros a impulsioná-lo nesse sentido.

A atracção pelo mundo dos negócios surge quando termina o Técnico e começa a questionar-se sobre o seu modo de vida futuro. Dada a grande instabilidade e falta de perspectivas que existiam na altura em Portugal, o seu modelo era o de desenvolver uma carreira executiva internacional. Frequenta assim o MBA no INSEAD, findo o qual ingressa na Goldman Sachs como especialista em investimentos. Muda-se para Nova Iorque. Relembra o choque que sentiu dado o nível de exigência, intensidade e cultura de profissionalismo da banca de investimentos em Nova Iorque comparativamente a Portugal, que até 1974 tinha uma economia protegida e, portanto, com standards de exigência muito baixos. Hoje já não é assim. Foi uma experiência marcante iniciar-se nos negócios num dos quatro maiores bancos de investimento do mundo, e para mais em Nova Iorque, o que viria a marcá-lo para o futuro, sobretudo pelo conhecimento que adquiriu desse sector. Se hoje tivesse que viver no estrangeiro por motivos profissionais, não hesitaria, sobretudo se se tratasse dos Estados Unidos, Inglaterra ou Suíça, por esta ordem de preferência.

Considera Lisboa uma das capitais mais bonitas da Europa dada a proximidade do rio e do mar, além de ter um património significativo. Desde a Expo, nota uma melhoria significativa na capital, que vê mais arranjada e cuidada, ainda que não tenha uma oferta cultural tão vasta como a de outras capitais. Mas também "é uma cidade pequena e portanto a oferta que tem corresponde à sua dimensão e à cultura média da população portuguesa."

A avaliação que faz do país já não é tão positiva. Apesar do enorme salto qualitativo verificado se compararmos o Portugal de hoje com o dos anos 80, considera "que estamos muito aquém do que devíamos estar se compararmos, por exemplo, com o desenvolvimento da Espanha, Irlanda ou República Checa no mesmo período." É muito crítico da forma como o país foi governado nos últimos 20 anos e aponta o dedo ao modelo económico seguido, que foi "o do betão, assente no desenvolvimento à custa de infra-estruturas e obras públicas pois se olharmos para as economias de sucesso não foi esse o modelo seguido", explica. O resultado foi a ausência de reformas estruturais e uma economia pouco competitiva se comparada, nomeadamente, com a espanhola ou irlandesa.

Ao falar destes últimos anos, um título da imprensa vem-nos à memória: O Independente, que assinala o início da ligação de Miguel  Paes do Amaral ao sector dos media. Aconteceu por acaso, com um convite que o amigo Luís Nobre Guedes lhe fez para que se tornasse accionista d'O Independente. "Encarei não como um negócio mas como um projecto interessante, feito por pessoas como o Paulo Portas e o Miguel Esteves Cardoso, que eram o que de melhor existia na sua geração em Portugal". Depois, as suas relações internacionais far-lhe-iam ver que os media não eram tanto uma forma de ter poder e influência, ideia que muita gente em Portugal e ele próprio tinham do sector, mas eram sobretudo um negócio interessante. Isso fê-lo olhar de forma diferente para a Soci, a sociedade que detinha na altura O Independente. A partir daí deu-se o desenvolvimento conhecido, que culmina com a criação da Media Capital, que detém diversos títulos da imprensa, estações de rádio e a sua participação na TVI, a qual alienou recentemente ao gigante espanhol Prisa. Viu o desaparecimento d'O Independente com tristeza mas preferiu que tivesse sido assim a ver aquele jornal forte e que tinha uma grande impacto na sociedade "tornar-se num jornal com poucas páginas, sem qualidade e pouco impacto."

Dos media em Portugal acha que é um sector interessante e saudável, com bons profissionais e que enfrenta hoje o desafio da digitalização crescente das estruturas de distribuição.  Paes do Amaral foi o responsável pela consolidação do sector - actualmente, os dois principais grupos de media do nosso país são a Impresa e a Media Capital, que repartem entre si 50% do total do investimento publicitário em Portugal. Vê o nascimento do Sol nesta altura como "um acto de grande coragem dos promotores quando os analistas prevêem que os jornais acabem dentro de 20 a 30 anos."

Casado e com duas filhas, uma de 18 e outra de 15 anos, a pressão de distribuir o tempo entre a sua vida profissional e familiar é mais ligeira pois são "as minhas filhas que quase não têm tempo", diz em tom bem-humorado. As férias de Verão e de ski são passadas em família, assim como duas viagens por ano, sempre na mesma altura.

A sua paixão pelos carros e pelo desafio ligado à adrenalina da corrida e da competição, levam-no a fazer viagens frequentes pelo estrangeiro para participar em três tipos de competições: o Le Mans Series, que segue as regras das "24 horas de Le Mans", onde corre no famoso Lola; o  campeonato GT de Espanha, disputado num Porsche e os campeonatos de carros clássicos, estes num ambiente mais descontraído, menos competitivo e sempre que não tem corridas mais importantes. Gosta de tudo o que está ligado a este desporto. "Todos os aspectos ligados à corrida, desde a preparação do carro, à discussão com o engenheiro da estratégia e do set up, enfim, todo esse conjunto de variáveis que determinam o resultado final de uma corrida divertem-me e aliviam o stress". Tenciona participar nas "24 horas de Le Mans" caso a sua candidatura seja aceite, uma vez que existem apenas 55 lugares disponíveis e mais de 100 candidatos.

De facto, desde que deixou de ter funções executivas - actualmente é Chairman e accionista da Media Capital - , passou a ter mais tempo para os seus hobbies: os  carros, a caça (deixou de fazer a big game, em África, para praticar apenas caça às perdizes), o ski e passeios de barco. Gosta também de coleccionar alguns objectos específicos, pintura e móveis antigos. Quando questionado sobre um projecto que gostasse de ainda vir a realizar, refere o Lisboa-Dakar, que não fez dado o tempo necessário - 3 semanas. "Não tenho muitas coisas que gostasse de fazer e não tenha feito. Geralmente, quando quero fazer uma coisa faço; tenho tido essa sorte. Agora que tenho tempo disponível, e budget, talvez considere o Lisboa-Dakar", diz.

Planos para o futuro não lhe faltam nem oportunidades para participar em negócios. Revela querer "criar uma estrutura mínima que me permita investir em projectos, em Portugal ou no estrangeiro, em sectores diversificados como o financeiro, imobiliário ou tecnologias de informação". E mais não diz. Afinal, as boas oportunidades são aquelas de que não se falam.


Text and photos kindly supplied by BPCC Member: Open Media

PartnersNBiz


Essential Lisboa - Oct/Nov 2006

Projects