André Jordan

andre-jordan image

Client: André Jordan

Website: http://www.bpcc.pt/files/AndreJordan_CV.pdf



Jordan & Sons - Portugal's most charismatic property developer prepares to hand over the reigns to the next generation

Accompanied by his two sons, Constantino and Gilberto, and his son-in-law Alexandre Botelho, André Jordan welcomed us to Belas, his residential golf development on the outskirts of Lisbon. Our conversation took place in a relaxed atmosphere, with the family happily sharing their thoughts on Portugal, tourism, the group's future plans, and the personal stamp André Jordan has left on his business and on his family.

Constantino and Gilberto are readying themselves to take over the company long controlled by their father. And what a company! Projects developed by the house of Jordan are often cited in conversations pertaining to Portugal's long held desire to become a popular destination for so-called luxury tourism. His achievements, amongst others, include: Portugal's first high quality tourist development - Quinta do Lago, created in 1970 and sold on in 1987 -; the rejuvenation of Vilamoura, recently sold on to the Spanish Grupo Prasa -; and the launch of the Belas development in 1995. Endowed with a finely tuned head for business, André Jordan's heart lies in creation and innovation; when his projects come of age he flies the nest, in search of new adventure. André Jordan has become a major name in Portugal and abroad within the tourism sector, but now he is preparing to step down and leave the business to the younger generation of the Jordan family.

The Jordans settled permanently in Portugal some 35 years ago. In 1939 they passed through Portugal en route for Brazil, fleeing the Nazi regime that threatened their homeland and Jewish background (André Jordan was born in a Polish province now part of the Ukraine). He would spend his entire adolescence and early adulthood in Rio de Janeiro; all except three years spent studying in the United States. These were good times for Jordan, both personally and professionally. He got involved in political causes, became a passionate journalist, founded a magazine, and met and socialised with major names in Brazil's cultural arena - his friends include João Gilberto, Tom Jobim, and Vinicius de Morais, amongst others. Then his father convinced him to come and work with him in the real estate business.

When asked to explain the reason behind his decision to move to Portugal he reveals that the country had always played an important role in his family's history. When they lived in Brazil they never lost touch with the ties that bound them to Portugal, not only because of the business connections André's father had built up in the country, but also because of the many friends they had here. On his father's death André went to the United States to head the international department of a major American company - Levitt & Sons - and it was at this moment that he decided that he would like to start up his own business. He soon realised that the type of developments he had in mind would work well in Portugal and so he decided to move here. Portugal was experiencing its so-called "Marcelist Spring" and despite some obvious remnants of isolationism, the first steps that would lead to the April 1974 revolution were clearly visible. For André Jordan, one of the main differences between the Portugal of today and that of those early days is a greater openness to the world outside its doors, a quality which would eventually culminate in the country joining the then EEC - European Economic Community. He refers to the tolerance shown by the Portuguese people in its seemingly faultless capacity to reabsorb a million citizens returning from exile - equivalent to 10% of the nation's population. For this alone he believes the Portuguese a very special people. "Sometimes they can still be a little closed but their hearts are always open."

In economic terms he believes Portugal now has the capacity to attract international investment. André Jordan confides that he has accepted an invitation from the Finance Minister to lead a work group which, amongst other things, will define the conditions that the country needs to in order to attract more private and business investment. He believes however that "the main condition is already there and by this I mean 'necessity'." As Aristotle said; necessity is the mother of invention". Contrary to former times, in which the service sector was lower profile, and industry was deemed its older brother, Portugal is now aware that tourism and property are key areas in the development of its economy. One of the aspects effecting tourism is the country's image. André Jordan, who lives some of the year in London, says that Portugal's image is nonexistent. Portugal is hardly ever mentioned in the British press, he explains, and when they do refer to Portugal, it's not always for the best reasons. "The country is blind to the importance and need of marketing, which is still seen as a luxury when in actual fact it is absolutely essential," he laments. Jordan cites the truth as the best policy when promoting Portugal abroad. "We have to appreciate what we have and develop the entertainment sector. Lisbon should have a theatre representing the Portuguese language, a theatre in which Portuguese speaking countries could showcase their arts, and which could become a major attraction in Lisbon." He also supports the creation of an interactive Museum of the Discoveries. "We have to reinterpret history into a contemporary language that can attract the younger generation".

He believes it imperative to find a suitable venue in which to house the Joe Berado collection, one of the most complete collections of contemporary art, with great appeal for younger audiences and important for the city of Lisbon, adding to its attraction as a short break holiday destination.

André Jordan splits tourism into two basic sections: holiday tourism - aimed at families and in which the Algarve and Madeira are the ideal candidates; and short stay tourism, with 2 to 4-day breaks, in which Lisbon, Oporto and even the Douro region boast the right conditions. The requirements for the one and the other are very different. With holiday tourism, holiday or second homes take on particular importance. "We only have a very small portion of this market, and if we compare ourselves with Spain, for example, our neighbours have about 150,000 units for sale to foreigners, while Portugal only has 1500, or rather 1% of the market compared with Spain. Increasing this market could prove of great importance to Portugal."

André's son Constantino, in charge of the group's golfing portfolio, adds weight to his father's thoughts. "Spain recognised many years ago that the holiday home market could bring sustainable and sizeable economic stimulus and incorporated it into its economic policy. Today it has a two-figure impact on the Spanish economy, while in Portugal it remains unrecognised and could well help regions which without tourism are not economically viable." He refers to improvements in the quality of life of the Algarve's population in recent years and the fact that the Algarve is now an important motor behind the nation's economy.

As for promoting Portugal, which should be the sole responsibility of the state, this should be complemented by the promotion of real estate products undertaken in this case by private developers. This doesn't mean that the state should keep out of this, rather try and encourage it via tax incentives. Gilberto Jordan, in charge of the group's real estate department, agrees that market players should strengthen the promotion of their products abroad. The group pioneered this field with its PPC model (Joint Promotion Plan) in Vilamoura. The state and tourist boards latter implemented this model in many other parts of the country. Constantino stresses the need for "balance between the larger side of the coin, i.e. promoting the country, and the smaller one, i.e. small centres of direct promotion, where we can only manage to increase our penetration in target markets through private partnerships joining forces with, say, tourist boards." Care needs to be taken so that efforts don't lose their impact; here another concept comes into play: PPPs - Public-Private Partnerships. Gilberto refers to real estate fairs, held in various countries throughout Europe, in which competition between cities or regions can prove negative to the countries. He welcomes Lisbon's initiative in "participating as a region and having managed to bring together various real estate players, whose individual participation would have been impossible given the costs involved." The Jordans believe that the Algarve could be promoted using such initiatives.

Jordan's son-in-law Alexandre Botelho, in charge of sales and marketing at Belas, adds that one of Portugal's problems is its "inability to decide and complete". He tells of how he has seen efforts made in terms of the right policies and the establishment of concrete objectives. But it all comes to a grinding halt at the moment of truth, i.e. decision time. One of the key concerns often referred to when discussing quality tourism is the lack of professional training within the sector. Constantino who studied, Business Management in Switzerland, sees it rather as a question of opening their way of thinking. "If you want to be successful in your profession you have to have an open mind, continually questioning and renewing your outlook." For André Jordan, "the question lies more in attitude than in technique; service is a question of attitude," and refers to the effort the group makes in terms of golf, where one of the success factors, besides course quality and environmental sensibility, is service - the customer service, availability and friendliness offered by the excellent teams they have in place. He believes that the Portuguese suffer a complex when it comes to service, mixing it up with servitude. Gilberto says that training is vital, above all in the restaurant business and cites the success Spain has enjoyed in terms of culinary expertise, where excellent chefs have appeared in recent years. He refers to Spain again. Unlike the majority of other European countries, where hotel service is provided mostly by immigrants, Spain's hospitality industry is staffed with nationals, Spaniards who are happy and proud to perform their service.

With Spain in our minds, now is the time to ask André Jordan about selling Lusotur to the Spanish group Prasa. His view of this is very pragmatic: "Spain has a market ten, if not twenty times larger than ours. If we can manage to deflect some of the investment they are prepared to make in tourism and real estate in Spain towards Portugal, then so much the better." The Jordan opinion of Spain's so-called "economic invasion" of Portugal is just as down-to-earth, as Constantino reveals: "Spain sees Portugal as part of its own market. Portugal should treat Spain in the same manner." This is not so much a question of size, rather of speed. Countries that are quick to change are overtaking their slower colleagues. And Portugal should get a move on if it wants a piece of the action in Spain. Gilberto defines it thus: "Spain is an enormous market, with cultural differences between its provinces. When a company in Madrid expands into Catalonia it heads the operation with a Catalonian, when it expands into Portugal it uses a Portuguese manager. Portuguese companies shouldn't try to take on Spain. They have to enter the market on a regional basis, to each of Spain's regions, taking into account these cultural differences. The Spaniards have a tendency however to be domineering and this makes us feel uncomfortable for cultural reasons as we don't like being dominated.

Does the group have any plans to expand? Besides Belas and five golf courses in the Algarve, André Jordan's group is focusing on offering its services to certain property developments. An example of this is its work promoting and marketing a small resort in the Algarve known as The Residences at Victoria Club de Golfe, featuring 146 apartments. This is the kind of work the group is currently involved in and which it hopes to continue in the future. The development has given an apartment to the Duke of Edinburgh Award Scheme, the sale of which will help to finance projects run by the scheme abroad and in Portugal, where it operates as the "Prémio Infante D.Henrique". The group is in discussion with several enterprises in Eastern Europe, including Romania and the Czech Republic. This is almost a return to their roots, to the former Austro-Hungarian Empire, as André's father came from a Polish province, at the time under Austrian rule, and Constantino and Gilberto's mother is Her Serene Royal Highness, Monica, Princess of Lichtenstein. Constantino proudly refers to the important role played by his mother's side of the family as a source of values he considers fundamental, such as generosity, dedication to family and to work, as well as discretion. The Jordans maintain their ties, especially family ones, with the Principality of Lichtenstein. André stresses the influence their grandfather, Prince Constantine of Lichtenstein, had on his grandchildren and reveals that Gilberto has inherited the emotional temperament of his mother. He tells us that he has never worried much about the image his children have of him. He has faults and qualities just like anyone else, and accepts "the human condition of fatherhood".

The strong bond of respect, mutual admiration and affection that unites this family is well documented, and Alexandre entered this environment with the greatest of ease.

At Belas, he tells us, the development is looking forward to the opening of a sports complex in November, and in the longer term, the creation of a hotel, an office centre, a medical clinic, and a school, amongst other facilities. Alexandre stresses the need to ensure business sustainability and therefore the need for phased investment, suitable to the size of the development.

Our conversation couldn't possibly end without asking André Jordan if there is a special project he wants to complete. In a cheerful tone he replies, "There are definitely easier ways to make money than our profession. The work is very intense and very long term. But there is no profession more rewarding than creating developments to be used by people." He knows all the effort was worth it with every trip to Quinta do Lago or Vilamoura, when he sees thousands of people using and enjoying the facilities without worrying about who created them. You can sense a touch of pleasure as he reveals that much of his and his sons' work within the professional, art, education and cultural sectors, involves the promotion of activities that are useful to society. His thoughts end on an emotional note: "I've accomplished much more than I could ever have dreamed possible and I'm very grateful for the opportunities I've been given."



Jordan & Sons - O mais carismático promotor imobiliário de Portugal prepara-se para entregar o testemunho à próxima geração

André Jordan recebeu-nos em Belas, na companhia dos filhos, Constantino e Gilberto, e do genro Alexandre Botelho. A conversa discorreu em ambiente descontraído e a família partilhou ideias sobre o nosso país, o turismo, os planos futuros do grupo e a marca pessoal que André Jordan imprimiu no negócio e na família.

Constantino e Gilberto preparam-se para dar continuidade ao legado do pai. E que legado!  Os projectos lançados por André Jordan são invocados quando se quer designar o que Portugal há muito procura: estabelecer-se como um destino apelativo para o chamado turismo de qualidade. A ele se devem, entre outros, o primeiro empreendimento turístico de grande qualidade no nosso país - a Quinta do Lago, criada em 1970 a qual vendeu em 1987 - , a revitalização de Vilamoura que foi recentemente vendido aos espanhóis do Grupo Prasa - e o lançamento do inovador projecto de Belas, nos arredores de Lisboa, em 1995.  Dotado de uma apurada intuição para os negócios, o que o estimula é a criação e a inovação; quando os projectos entram na fase de exploração corrente, parte para novas aventuras. Hoje, André Jordan é uma personalidade de referência em Portugal e no estrangeiro na área do turismo e prepara-se para ceder a dianteira dos negócios à geração mais nova da família.

Há 35 anos que a família Jordan se estabeleceu definitivamente no nosso país. Já em finais de 1939 tinham tido uma passagem fugaz por Portugal, quando fugiam da ameaça nazi em direcção ao Brasil, dadas as origens judaicas da família (André Jordan nasceu numa província polaca que actualmente integra a Ucrânia). Foi no Rio de Janeiro que passou toda a adolescência e os primeiros anos da vida adulta, com excepção de um período de três anos em que foi estudar para os Estados Unidos. Foram tempos muito ricos a nível pessoal e profissional. Envolveu-se em causas políticas, foi jornalista por paixão, fundou uma revista, conheceu e privou com os grandes nomes da cultura brasileira - é amigo de João Gilberto, Tom Jobim, Vinicius de Morais, entre outros. Até que o pai o convenceu a ir trabalhar com ele no ramo imobiliário.

Quando questionado sobre a razão de ter escolhido Portugal para se estabelecer, diz que o país sempre teve um papel importante na história da família. Quando estavam no Brasil, nunca perderam os laços que os uniam a Portugal, não só devido aos interesses de negócio que o pai de André tinha no nosso país, como dos muitos amigos que aqui tinham. Quando o pai morreu, André foi para os Estados Unidos dirigir  o departamento internacional de uma grande empresa americana - a Levitt & Sons -  e foi então que decidiu querer ser empresário por conta própria. Apercebe-se que o tipo de empreendimentos que queria fazer eram viáveis em Portugal e decide vir para cá. Na altura viviam-se os tempos da Primavera Marcelista e apesar de subsistirem algumas ideias de isolacionismo, adivinhavam-se tempos de mudança, que se viriam a concretizar com o 25 de Abril. Para André Jordan uma das principais diferenças que nota entre o Portugal de hoje e o desses dias é precisamente a maior abertura ao exterior, cujo culminar se deu com a adesão de Portugal à então CEE - Comunidade Económica Europeia. Salienta a tolerância do povo português referindo a capacidade que o país teve de absorver um milhão de retornados, o equivalente a 10% da sua população, sem qualquer problema. Diz por isso que o povo português é muito especial. "Às vezes pode ainda ter a mentalidade um pouco fechada mas tem o coração sempre aberto". 

Em termos económicos, Portugal tem hoje capacidade para atrair perfis empreendedores. André Jordan confidencia-nos que aceitou o convite do Ministro da Economia para liderar um grupo de trabalho que, entre outras atribuições, irá definir as condições necessárias que o país deve reunir para atrair mais investimentos  individuais ou empresariais. Considera, no entanto, que "a principal condição está criada e ela é a necessidade pois como dizia Aristóteles: a necessidade é a mãe da invenção". Ao contrário de outros tempos, em que havia algum preconceito contra o sector dos serviços - a indústria era o sector nobre -,  Portugal já tem a consciência de que o turismo e o imobiliário são áreas chave para o desenvolvimento da sua economia. Um dos aspectos que afecta o turismo é a imagem do país. André Jordan, que vive parcialmente em Londres, diz que a imagem de Portugal é inexistente e são raras as referências ao nosso país na imprensa inglesa  e, quando nos referem, nem sempre é pelo melhor. "Não existe consciência da importância e da necessidade do marketing, que ainda é encarado como um luxo, quando é absolutamente essencial", lamenta. Como eixo de promoção de Portugal no exterior defende que a verdade é sempre a melhor política. "Há que valorizar o que temos e desenvolver mais a área da animação. Lisboa devia ter um teatro da lusofonia, um teatro em que os diversos países lusófonos apresentassem espectáculos das suas artes, que poderia ser um grande pólo de atracção em Lisboa." Defende ainda a criação de um Museu dos Descobrimentos interactivo. "Temos que reinterpretar a história numa linguagem contemporânea que atraia os jovens."

Considera urgente encontrar uma casa para a colecção do Joe Berardo, uma das mais completas colecções de arte contemporânea, com grande apelo para os jovens e importante para a cidade de Lisboa, valorizando-a como destino turístico de "short break".

André Jordan divide o turismo em 2 secções básicas: o turismo de férias -vocacionado para as famílias e em que o Algarve ou a Madeira seriam destinos privilegiados - e o turismo de visita de 2, 3 ou 4 dias em que Lisboa, Porto ou mesmo a região do Douro poderão ser destinos preferenciais. Os requisitos de um tipo de turismo e de outro são distintos. No turismo de férias assume particular importância a segunda habitação. "Temos uma parcela muito pequena deste mercado e se compararmos por exemplo com Espanha, os nossos vizinhos têm uma oferta na ordem das150 000 unidades para venda a estrangeiros, que representam alguns milhares de milhões de euros enquanto que Portugal terá 1 500, ou seja, 1% de mercado se comparado com Espanha. O incremento deste mercado pode ser de uma enorme valia para Portugal."

Constantino Jordan, outro dos filhos de André e responsável pela exploração dos campos de golfe do Grupo, reforça a ideia. "A Espanha reconheceu há muitos anos que a segunda habitação poderia trazer um impulso económico sustentável de grande dimensão e englobou isso na sua politica económica. Hoje, tem um impacto de dois dígitos na economia espanhola enquanto que em Portugal não é reconhecido e poderia ser um factor de qualificação de regiões que sem o turismo não têm viabilidade económica." Dá como exemplo a melhoria da qualidade de vida dos algarvios nos últimos anos e o facto de o Algarve ser hoje um dos motores da economia nacional.

Quanto à promoção de Portugal, que deve ser única e da responsabilidade do Estado, ela deve ser complementada com a promoção dos produtos imobiliários, que é uma responsabilidade dos promotores privados, o que não implica que o Estado não possa dar incentivos, nomeadamente fiscais. Gilberto Jordan, responsável pela gestão da parte imobiliária do Grupo, corrobora a ideia da necessidade de os players do mercado reforçarem a promoção dos seus produtos no exterior.  O grupo foi percursor em Vilamoura do modelo PPC - Planos de Promoção Conjunta e depois o Estado e as Regiões de Turismo imitaram esse modelo para muitas outras zonas do país. Constantino acentua a necessidade de "equilíbrio entre o grande, ie, a promoção do país, e o pequeno, ou seja, pequenos núcleos de promoção directa, em que só juntando os parceiros privados com, por exemplo, as regiões de turismo, é que se consegue aumentar a penetração nos mercados-alvo." O cuidado que aqui se deve ter é que os esforços não resultem dispersos, pelo que um outro conceito assume importância: os PPP - Parcerias Público-Privadas. Gilberto dá como exemplo as feiras de imobiliário, que se realizam em diversos países a nível europeu e onde se assiste a uma grande concorrência entre as cidades ou as regiões, em detrimento dos países e saúda a iniciativa de Lisboa em "participar enquanto região e ter conseguido juntar diversos actores imobiliários, cuja participação individual teria sido impossível pelos custos envolvidos." Defendem que a promoção do Algarve poderia passar também por iniciativas deste tipo. Alexandre Botelho, genro de André Jordan e responsável comercial de Belas, acrescenta que um dos problemas de que Portugal sofre é a "falta de capacidade de decisão e execução". Diz que tem assistido a um esforço no sentido de se encontrarem as políticas certas e o estabelecimento de objectivos concretos. Mas tudo esbarra no momento da decisão. Quanto a uma das questões chave que hoje muito se discute a propósito do turismo de qualidade e que é a falta de qualificação profissional dos recursos humanos ligados ao sector, Constantino, que estudou Gestão de Empresas na Suíça, prefere pôr o acento tónico na abertura da mentalidade. "Quem quer ter sucesso na sua actividade económica tem que ter uma mente aberta, renovar-se e pôr-se em causa constantemente." Para André Jordan, "a questão é mais de atitude do que de técnica; o serviço é uma questão de atitude" e exemplifica com a aposta que o grupo fez no golfe, onde um dos factores de sucesso, para além da qualidade dos campos e de um cuidado exemplar com a componente ambiental, foi o serviço - o atendimento, a disponibilidade, a simpatia posto em prática pela excelente equipa que trabalha nesta área. Considera que em Portugal ainda existe um certo complexo em relação ao serviço, confundindo-se com servilismo. Gilberto diz que a formação assume um papel importante sobretudo na restauração e exemplifica com o sucesso que Espanha tem tido a nível gastronómico, onde têm surgido excelentes chefs nos últimos anos. Refere ainda que em Espanha, ao contrário da maioria dos outros países europeus, em que o serviço na hotelaria é prestado sobretudo por imigrantes, em Espanha é feito pelos próprios espanhóis que o desempenham com gosto e orgulho.

A propósito de Espanha, não podemos deixar de questionar André Jordan sobre a venda da Lusotur ao grupo espanhol Prasa, questão sobre a qual tem uma visão bastante pragmática: "A Espanha tem um mercado dez, se não vinte, vezes maior que o nosso; na área do turismo e imobiliário, se conseguirmos desviar uma parte do investimento que estão preparados para fazer em Espanha para Portugal, tanto melhor." À "invasão económica" de Portugal pela Espanha, contrapõem uma outra. Constantino ilustra-a: " Espanha olha para Portugal como seu mercado interno. Portugal deveria olhar para Espanha também como seu mercado interno". Não se trata tanto de uma questão de dimensão mas de rapidez. Os países rápidos a se transformarem estão a ultrapassar os lentos. E Portugal deveria ser mais rápido a ir para Espanha. Gilberto precisa: "A Espanha é um mercado muito vasto, com diferenças culturais entre as suas províncias. Quando uma empresa de Madrid se expande para a Catalunha coloca à frente um catalão, quando vem para Portugal coloca um português. Nenhuma empresa portuguesa pode ir para Espanha. Tem que ir regionalmente, para regiões da Espanha, tomando em consideração essas diferenças culturais. No entanto, os espanhóis têm uma tendência dominante e nós sentimo-nos incomodados por isso por razões culturais pois não gostamos de ser dominados por nenhum povo."

E planos de expansão para o grupo? Para além de Belas e dos 5 campos de golfe que detém no Algarve, o grupo de André Jordan está a apostar na prestação de serviços a alguns empreendimentos, estando por exemplo ligado à promoção e comercialização de um pequeno resort no Algarve, com 146 apartamentos denominado The Residences at Victoria Club de Golfe. Este é um exemplo das actividades em que estão envolvidos actualmente e que querem estar no futuro. Este empreendimento ofereceu um apartamento ao Duke of Edinburgh International Award cujo rendimento irá financiar as actividades deste Prémio no estrangeiro e em Portugal, traduzido no prémio Infante D. Henrique. O grupo está em conversações com diversos empreendimentos no Leste da Europa, designadamente na Roménia e na República Checa. É quase como um regresso às origens, à zona do Império Austro-Húngaro, pois não só o pai de André era natural de uma província da Polónia, que na altura pertencia à Áustria, como a mãe de Constantino e Gilberto  é Sua Alteza Real Serena, Mónica, princesa do Liechtenstein. Constantino menciona, com orgulho, o papel importante da família materna como referencial de valores que considera fundamentais, como a generosidade, a dedicação à família e ao trabalho e a discrição. Mantêm ainda laços, sobretudo familiares, com o Principado do Liechtenstein. André salienta a influência que o avô, o Príncipe Constantino do Liechtenstein teve sobre os netos e confidencia que Gilberto herdou o temperamento mais emocional da mãe. Diz-nos que nunca se preocupou muito com a imagem que os filhos fariam de si, pois tem defeitos e qualidades como qualquer pessoa e assume "a condição humana como pai".

É notório o forte elo de respeito, admiração mútua e carinho que une esta família, na qual Alexandre se integrou da forma mais natural.

Diz-nos a propósito de Belas que vai ser inaugurado já em Novembro deste ano um complexo desportivo e está prevista, a mais longo prazo, a criação de um hotel, um centro de escritórios, uma clínica, uma escola, entre outras infra-estruturas.  Alexandre destaca a necessidade de assegurar a sustentabilidade do negócio e portanto a necessidade de o investimento acontecer faseado no tempo e adequado à dimensão do empreendimento.

Não podíamos terminar esta conversa sem perguntar a André Jordan se ainda tem algum projecto especial por realizar. Em tom bem-humorado diz-nos que "Não há actividade que dê maior satisfação do que criar empreendimentos que se destinam a ser usados pelas pessoas." De cada vez que vai à Quinta do Lago ou a Vilamoura e vê milhares de pessoas a utilizar e desfrutar daquelas infra-estruturas sem se preocuparem com quem as criou, diz que valeu a pena todo o esforço.  Sente-se uma nota de particular gratificação quando refere que uma parte importante da sua actividade e da dos seus filhos é também promover actividades de interesse colectivo no sentido de ajudar a fomentar actividades que sejam úteis à sociedade, no sector profissional, arte, educação ou cultura. Com alguma emoção, acaba por responder-nos à pergunta, dizendo: "Realizei muito mais do que tinha sonhado e estou muito grato pelas oportunidades que tenho tido."


Text and photos kindly supplied by BPCC Member: Open Media

PartnersNBiz


Essential Lisboa - Apr/May 2005
Text: Carla Marreiros
Photos: Paulo Barata

Projects