Claudine de Cadaval

claudine-de-cadaval image

Client: Claudine de Cadaval

Website: http://



Claudine de Cadaval - The duchess with a passion for fashion and a love for music



Close friends with Givenchy and Yves Saint Laurent, the Duchess of Cadaval tells us of her passion for music and for Portugal, which caused her to exchange the lights of Paris and New York for the charm of Lisbon and the peace of Évora.

The Duchess of Cadaval, known as Claudine to her friends, welcomed us into her house in Estoril with the affability and grace one would expect of a grande dame. Ever open and friendly, our conversation flowed around subjects close to her heart. The first, from the very outset and the main reason behind our exchange: the Festival Évora Clássica, this year enjoying its 12th edition. The festival started as a classical music event, and until today has relied heavily on the support of the Gulbenkian Orchestra. Nonetheless and little by little, the festival’s vocation has been modified, opening it up to artistic displays from different media and countries, with a strong presence of acts from the Far East, and finally developing into a world music festival.

“A few years ago I attended a music festival in France, which featured Oriental performances. I was so impressed that I invited the artistic director to come and visit Évora and to see how we could establish a relationship with this festival. He loved the city and ever since the Évora Clássica festival has grown steadily in dimension, developing a character that I believe unique in Portugal,” the Duchess of Cadaval (Dona Claudine) explains. Her passion and involvement in this event is clear to behold. The festival is organised by a non-profit organisation of which she is the chairwoman. From its very beginnings the event’s aim has been “to develop something unique for Évora, and I think we have succeeded in our aims as each year we are sold out”. The local population is very active in supporting the festival, responding well to promotion made by local bodies and happy to see something different grace their city. Her great desire to attract more people and not just Évora’s local population is obvious. “My wish is for the Festival Évora Clássica to become enormous, giving Évora a name as cultural centre, which it deserves given its role in Portugal’s history and its importance as a World Heritage Site,” the arts patron tells us, with a sparkle in her eye and passion in her voice. She’s treading the right path and lets slip that she has a few ideas that will be realised within the near future. “Major themes in this edition include a strong feminine presence, sacred music, and Islamism,” the Duchess reveals.

Born in Normandy, as the 2nd World War came to a close she quickly moved to Paris where she spent her adolescence and met the great love of her life: D. Jaime Álvares Pereira de Melo, Duke of Cadaval. They married when she was 20 and never left each others’ side up until the Duke passed away. She recalls an intense social life during those times in Europe and the United States and remarks quite naturally that fashion was a part of this experience. She often visited Portugal, home at this point to several royals in exile, such as King Humberto of Italy, the Count of Barcelona and future King of Spain, the Queen of Bulgaria, and the Queen of Romania, amongst others.

Very popular with major designers, Claudine de Cadaval was dressed in Haute Couture from the likes of Yves Saint Laurent, Givenchy and Valentino. “I opened the first Valentino shop in Paris and then, in 1978, the first Armani store in the USA.” Her connection with Giorgio Armani lasted six years. She then opened a Lanvin store, also in New York, which she kept for three years, and finally one of the first multi-brand stores, with labels such as Carolina Herrera, Oscar de la Renta, amongst others. At the time these brands were only available in New York’s large, luxury department stores, but not in smaller shops. She recalls that one day, as Valentino was passing by her shop - called Avenue Montaigne and located on the corner of Madison and 64th - and spotting its decoration, he exclaimed: “This can only be Claudine’s shop!” On the other side of the street she opened another shop, Avenue Montaigne II, dedicated exclusively to cocktail wear, meeting the enormous demand for such clothing that existed then within New York society. She severed her business ties with the US in 1991, when she moved permanently to Portugal.

With her elegant looks and distinctive style the Duchess was frequently featured in several fashion magazines, always keen to fill their pages with images of figures in European aristocracy. She regularly visits Givenchy’s home, having what she terms “a great friendship, as if we were brother and sister. I see him as my mentor, a man with the greatest of abilities, with a taste for fashion, decoration and art unlike anyone else I have met, and someone with whom I identify completely. Luckily for him, with fashion having changed so much, he has now retired.” The Duchess’ favoured designer of the moment is Oscar de la Renta.

Her ties with the fashion world came with her to Portugal when she swapped the dazzle of Paris and New York for the Portuguese capital and the calm of Évora fifteen years ago. She opened Portugal’s first Yves Saint Laurent store in the Hotel da Lapa, and another multi-brand store - called Doníssima - with collections from leading designers, including Valentino. Prior to this she also owned a little shop in Cascais, decorated by Graça Viterbo, dealing in perfumes and scents for the home, once again leading the way in that particular segment, and representing major brands such as Canova´s or Kenneth Turner. Despite being a very absorbing experience, she admits she wouldn’t want to repeat it.

Nowadays her projects may have changed but they remain well and truly on Portuguese soil. Such a fate could have been guessed at, when years ago she spoke to her husband of her desire for her daughters to feel Portuguese and not emigrants, being pushed from pillar to post and feeling as if they belong neither here nor there. She told him she would like to move to Portugal, to which he replied she wouldn’t last five minutes. Well, fifteen years down the line she reveals that she feels at home in Portugal and that she has managed to cultivate a feeling of belonging for her children, establishing roots for them. Despite their international background (Diana was born in Lausanne, Switzerland, where the Duke used to spend long periods, and Alexandra was born in New York, and is currently studying music industry management in a London university), today the family feels 100% Portuguese, with its roots in Estoril and the Ducal Palace in Évora.

Fed by her heart, her head bubbles with projects. Besides the current museum within the Ducal Palace in Évora, a member of the International Federation of Museums, her most ambitious project is the creation of a foundation - the Fundação de Cadaval - which should be up and running sometime next year. This institution will devote its efforts to compiling every historical archive corresponding to the family, making them available for historical research and offering grants for works on the history of the House of Cadaval, as well as promoting contemporary art exhibitions and backing cultural activities, namely those that promote Évora’s heritage. “It is a great honour for me to be able to continue the legacy of a family such as the Cadaval one.”

In fact, the House of Cadaval is one of Portugal’s noblest, with the same male line as the House of Bragança, descending from D. Álvaro, forth son of D. Fernando, second Duke of Bragança, and from his wife, Duchess D. Joana de Castro, daughter of D. João de Castro, Lord of Cadaval. The latest holder, since deceased, of the titles 10th Duke of Cadaval, 12th Marques of Ferreira, and 13th Count of Tentúgal, was D. Jaime Álavares Pereira de Melo, of whom D. Claudine, the current Duchess of Cadaval is the widow.

Their marriage has produced two children, D. Diana Álvares Pereira de Melo, Marquess of Ferreira and D. Alexandra Álvares Pereira de Melo Cadaval.

Loyalty to D. Miguel, during the liberal wars, meant that the Cadaval family had to leave Portugal in 1836, not returning before 120 years had passed, now in D. Jaime’s generation. But what are D. Claudine’s impressions of Portugal? With passion forever colouring her voice, she praises the friendliness of the Portuguese and the beauty of a country that she regrets remains so unknown abroad. “Portugal is a paradise and hardly publicised abroad. I’m sure we’ll witness a boom in tourism in the coming years. Our future, as with the rest Europe, relies on tourism.”

With her thoughts pointed towards the future the Duchess reveals news of an important real estate project concerning a family property, the Herdade da Mata do Duque, in the Ribatejo. We’ll have to wait a little longer to see what this restless spirit has in store for us. And then what? In a relaxed and good humoured voice she reveals she would like to write two books, “One on the history of the ducal part of the Cadaval family, and another on Givenchy and my life.”



Claudine de Cadaval - Uma vida de projectos em que a moda e a música ocupam um lugar especial



Amiga de Givenchy e Yves Saint Laurent, a Duquesa de Cadaval revela-nos a sua paixão pela música e pelo nosso país, que a fez trocar as luzes de Paris e Nova Iorque pelo charme de Lisboa e o recato de Évora.

A duquesa de Cadaval, Claudine de seu nome, recebeu-nos na sua mansão, no Estoril com a amabilidade e graça próprias de uma grande senhora. Sempre à-vontade e com boa disposição, a conversa fluiu em torno de temas que lhe são caros. O primeiro, e desde logo, o principal motivo que originou a nossa conversa: o Festival Évora Clássica, que este ano conta com a sua 12ª edição (ver pág. 40). O festival começou de facto como um evento de música clássica, tendo tido desde sempre e até hoje, um grande apoio da Orquestra Gulbenkian. No entanto, pouco a pouco, a sua vocação foi-se alterando no sentido de se tornar mais aberto às manifestações artísticas de diferentes origens e países, com uma forte predominância do Oriente, assumindo hoje um carácter de um festival de música do mundo.

“Há alguns anos assisti em França a um festival de música que versava sobre o Oriente e impressionou-me tanto que convidei o director artístico para vir conhecer Évora e ver de que forma podíamos estabelecer uma relação com aquele festival. Ele adorou a cidade e desde então o festival Évora Clássica ganhou uma dimensão muito maior e um carácter que, considero, único em Portugal”, explica a Duquesa de Cadaval (Dona Claudine). É patente a sua paixão e envolvimento neste certame. A organização do Festival está a cargo de uma associação sem fins lucrativos, à qual preside. O objectivo desde sempre foi o de “desenvolver em Évora algo único e julgo que temos sido bem sucedidos pois cada ano que passa temos casa cheia.” A própria população adere muito às iniciativas, quiçá pela promoção que é feita nos meios locais ou pela vontade de ver algo diferente. Não esconde o desejo de atrair mais pessoas que não apenas os eborenses de forma a realizar o seu grande desejo: “Que o Festival Évora Clássica tenha uma enorme dimensão, fazendo com que Évora seja mais falada como pólo de cultura , como bem merece, mercê do seu papel na história de Portugal e da sua importância como Património da Humanidade”, diz-nos, com um brilho no olhar e a paixão na voz.  Está no bom caminho e deixa escapar que tem algumas ideias a se concretizarem a breve trecho. “Nesta edição terá uma grande importância a presença feminina, o sagrado e o islamismo”, esclarece a Duquesa.

Nascida na Normandia, quando se aproximava o final da 2ª Guerra, cedo vai para Paris e aí passa a sua adolescência até conhecer o grande amor da sua vida: D. Jaime Álvares Pereira de Melo, Duque de Cadaval. Casam quando tem 20 anos e não mais se separam até ao falecimento do Duque. Recorda desses tempos a vida social intensa que tinham na Europa e nos Estados Unidos e refere com naturalidade que a moda fazia parte dessa vivência. Visitavam com frequência Portugal, que nesses anos acolhia alguns membros da realeza exilados, como o rei Humberto de Itália, o Conde de Barcelona e o futuro rei de Espanha, a rainha da Bulgária, a rainha da Roménia, entre outros.

Muito solicitada pelos maiores criadores, Claudine de Cadaval vestia a Haute Couture de Yves Saint Laurent, Givenchy e Valentino. “Abri a primeira loja Valentino em Paris e depois a primeira loja Armani nos EUA, em 1978.” A ligação a Giorgio Armani duraria 6 anos. Abre depois uma loja Lanvin, também em Nova Iorque, que manteria por três anos e por fim uma das primeiras lojas multimarca, com marcas como Carolina Herrera, Óscar de la Renta, entre outras.  Na altura, estas marcas estavam presentes nos grandes e requintados armazéns nova-iorquinos mas não nas lojas de rua. Recorda que um dia, Valentino, ao passar pela loja, que se chamava Avenue Montaigne e ficava na Madison Avenue com a 64th Av., ao olhar a sua decoração exclamou: “Esta loja só pode ser da Claudine!” Abriria ainda, do outro lado da rua a Avenue Montaigne II, dedicada em exclusivo a trajes de cocktail, dada a enorme procura que existia, e ainda existe, por parte da sociedade nova-iorquina. Acaba com estes negócios em 1991, por altura da sua vinda definitiva para o nosso país.

A sua figura elegante e porte distinto faria com que fosse fotografada por inúmeras revistas de moda, sempre desejosas de ter na suas páginas nomes sonantes da aristocracia europeia. Visita assídua de casa de Givenchy, revela ter por ele “uma grande amizade, como se fôssemos irmãos. Considero-o um mentor, um homem com uma capacidade sem igual, com um gosto para a moda, a decoração e as artes como nunca conheci ninguém e com o qual me identifico totalmente. Felizmente para ele já está reformado, pois a moda mudou muito.” Actualmente, a sua preferência vai para Oscar de la Renta.

Transporta a sua ligação ao mundo da moda para Portugal, quando há 15 anos atrás trocou o barulho das luzes de Paris e Nova Iorque pela nossa capital e pela tranquilidade de Évora. Abre, no Hotel da Lapa, a primeira loja Yves Saint Laurent em Portugal e uma outra multimarca com primeiras linhas de grandes criadores, como Valentino, chamada Doníssima. Antes, teve ainda uma pequena loja em Cascais, decorada por Graça Viterbo, onde se podiam encontrar cheiros e aromas para o lar, uma vez mais pioneira no seu segmento e representante de marcas de prestígio como Canova’s ou Kenneth Turner. Apesar de ter sido uma experiência muito envolvente, diz não querer voltar a repetir.

Os seus projectos hoje são outros mas passam inequivocamente por Portugal. Mas isso já o adivinhava, quando há anos atrás comentava com o marido que queria que as filhas se sentissem portuguesas e não emigrantes, sempre de um lado para outro, sentindo-se um pouco de tudo e de nada. Diz-lhe que gostaria de vir para Portugal, ao que ele responde que ela não aguentaria nem 5 minutos. Pois é, já lá vão 15 anos e aqui diz sentir-se em casa e ter conseguido criar nas filhas um sentimento de pertença e o cimentar de raízes. Apesar da vivência internacional (Diana nasce em Lausanne, na Suíça, onde o Duque gostava de passar longas temporadas, e Alexandra nasce em Nova Iorque, estando actualmente a tirar uma especialização numa universidade londrina em gestão da indústria musical), hoje a família sente-se 100% portuguesa, tendo os seus referenciais na casa do Estoril e no Paço Ducal em Évora.

A cabeça, talvez impulsionada pelo coração, fervilha de projectos. Para além do actual Museu existente no Paço Ducal em Évora, o qual integrará a Federação Internacional de Museus,  o projecto mais ambicioso é a criação de uma Fundação - a Fundação de Cadaval -, a qual está prevista entrar em funcionamento já para o próximo ano. Esta instituição dedicar-se-á a reunir todos os arquivos históricos referentes à família, disponibilizando-os para investigação histórica e apoiando através de bolsas a realização de trabalhos sobre a história da Casa de Cadaval,  a promover exposições de arte contemporânea e a apoiar actividades de carácter cultural, nomeadamente com vista à divulgação do património de Évora. “É para mim uma honra poder dar continuidade ao legado de uma família como a de Cadaval.”

De facto, a Casa de Cadaval é uma das mais nobres do nosso país, tendo a mesma varonia que a de Bragança, porque descende de D. Álvaro, 4.º filho de D. Fernando, 2.º duque de Bragança e de sua mulher, a duquesa D. Joana de Castro, filha de D. João de Castro, senhor de Cadaval. O mais recente donatário, entretanto falecido, dos títulos 10º Duque de Cadaval, 12º Marquês de Ferreira e 13º Conde de Tentúgal foi D. Jaime Álvares Pereira de Melo, de que D. Claudine, actual Duquesa de Cadaval, é viúva. Desde casamento, nasceram D. Diana Álvares Pereira de Melo, Marquesa de Ferreira e D. Alexandra Álvares Pereira de Melo Cadaval.

Fidelidade a D. Miguel, por altura das guerras liberais, fez com que a família Cadaval saísse de Portugal em 1836, não voltando senão passados 120 anos, já na geração de D. Jaime. Quais as impressões que tem desse Portugal? Com a paixão sempre a moldar-lhe a voz, enaltece a amabilidade dos portugueses e a beleza do país e só lamenta que se conheça pouco Portugal lá fora. “Portugal é um paraíso e está mal divulgado no estrangeiro. Julgo que se vai assistir a um boom do turismo nos próximos anos. Aliás, o nosso futuro, assim como o do resto da Europa, passa pelo turismo.”

Será por estar já com os olhos postos no futuro que a Duquesa nos revela ter em curso um importante projecto imobiliário ligado a uma propriedade da família, a Herdade da Mata do Duque, no Ribatejo? Resta-nos esperar um pouco mais para vermos o que nos reserva o seu espírito irrequieto e v. E depois? Em tom descontraído e bem-humorado revela que gostaria muito de escrever dois livros: “um sobre a história da parte ducal da família Cadaval e um outro sobre Givenchy e a minha vida”.


Text and photos kindly supplied by BPCC Member: Open Media

PartnersNBiz


Essential Lisboa - Jun/Jul 2006
Text: Carla Marreiros
Photos: Paulo Barata

Projects