Albertino de Figueiredo

albertino-de-figueiredo image

Client: Albertino de Figueiredo

Website: http://en.wikipedia.org/wiki/Afinsa


A collector’s world



Albertino de Figueiredo, a Portuguese entrepreneur living in Madrid, is one of the leading philatelists

For some, stamp collecting could never be considered intrepid. But for Albertino de Figueiredo, it represents the adventure of a lifetime. A native of Oliveirinha, near Viseu in Beira, but living in Spain for over 40 years, Figueiredo’s passion for philately led him to found what has since become one of the world’s leading companies in tangible investment goods and collectables, Afinsa - a leader in the stamp collecting market.

His taste for collecting stamps first came about when a friend of his father gave him his first examples. Albertino was eight years old. Having graduated in engineering in Lisbon, he moved to Madrid in 1965 to work in the automotive industry, taking with him his “modest” collection, of “no more than 200 sheets”. Then one day, in 1975, Albertino received a phone call from a stamp dealer with a shop in the Spanish capital specialising in Portuguese stamps, amongst others. The dealer had just acquired a stamp that he was sure would interest Albertino. His asking price was the equivalent of three times Albertino’s annual salary, by now, at age 44, employed as a production manger in a car factory.

“The thing about collecting is that you are ready to explore every possibility in order to improve upon the collection,” Albertino explains.

He had just inherited his father’s estate in Portugal but Albertino had no means of transferring his Portuguese funds into Spain - it was the so-called “Hot Summer” following the Portuguese Revolution and the government was refusing to allow funds out of the country. The dealer was equally reticent to receive his payment in Portugal, but he had a solution in mind. He suggested that Albertino exchange the money he had in Portugal for stamps, obviously easing their passage across the border, and that he [the dealer] would buy them off him in Madrid. “I knew about collecting but nothing about dealing,” Albertino confesses. Thereafter, he adds, a friend was entrusted with buying collections in Portugal from known and unknown sources “until I’d spent every penny.”

His inheritance from his father, a man of humble origins but of entrepreneurial zeal, represented a considerable amount and the spacious Dodge Albertino drove was stuffed to the brim with folders full of stamps. When he pulled up to the border crossing it wasn’t easy to convince the customs police that his mountain of stamps was only of sentimental value. Tense moments ensued at the Vilar Formoso frontier. “I spent over an hour discussing the matter with the border post commander,” he remembers. On the Spanish side the police soon understood that the stamps were worth a fortune!

Back in Madrid, Albertino de Figueiredo quickly discovered that his hobby could also prove a major investment. “Without even discussing prices, the dealer offered me double what I’d paid. I saw immediately that if I’d had a little more experience in these matters, I could have got much more for them.” He started to use his holidays to gain experience with some of the most prestigious stamp dealers in Spain, the UK, Belgium, Switzerland, Italy and the United States. “It appeared to be a good business, but conducted badly. Nobody was doing anything to promote the status philately deserved. Most people considered it nothing more than a little fun for children and pensioners when in actual fact major business was being generated and lots of money was changing hands. It was impressive. I thought about a career change.”

new career, new opportunities
In 1980 Albertino de Figueiredo left the automotive industry and founded Afinsa. “The first step was to make the market more transparent; people were beginning to see the value of stamps and this benefited philately immensely.” The numbers explain a lot: since its appearance in 1840 the postage stamp has been re-valued 13,000 times more than gold. “It’s more profitable than banking, safer than the stock exchange and more accessible than property. There are some 800 major collections in the world, representing major fortunes.” But none are as impressive as Albertino’s.

In just 15 years Albertino de Figueiredo had become the world’s foremost stamp dealer. Today, Afinsa stands head and shoulders above any other company in the sector.

“We managed to reverse public perception that stamp collecting is an elitist hobby. Instead, it enables anyone, whether they know anything about stamps or not, to make money with them.”

With a portfolio numbering over 140,000 clients and registering a gross profit of over E50 million per year, the Afinsa Group operates in six European countries. It has a 70% stake in the Escala Group - which trades on the US NASDAQ stock exchange - and it owns auction houses in Peking and Hong Kong.

The group has interests at every level of the stamp business, including publishing stamps in several former Portuguese colonies. This is an attempt to raise the prestige of stamp production in these countries, an industry, says Albertino, that is normally “in the hands of pirates who issue stamps without state authorities knowing they are being sold.”

Afinsa has also expanded its business interests into other fields, including art, numismatics and antiques. The company owns two art galleries in Madrid, one of which is the city’s largest, the Galeria Metta. In Oporto, Afinsa opened the Galeria Afinsa Trindade, where it introduced artists such as Luís Coutinho and Pedro Bessa, and which is now in the hands of Paula Sá, its former director.

The king of pastimes
For connoisseurs, stamps enable each generation to pass on a profound sense of culture. In other words, stamps reflect the life of the country in which they are issued. “Since the day stamps were introduced, philately has been the pleasure of kings,” says Albertino. “However, I believe it is the king of pleasures.”

As founder and current honorary president of Afinsa, Albertino de Figueiredo - who’s also the president of the foundation bearing his name - stands proudly behind a long and productive career promoting philately. His undoubted success has brought with it recognition and countless tributes, including the Order of Merit of the Portuguese Republic.

He is the owner of the most important collection of Portuguese stamps in the world, with many a unique piece. He has over 5,000 sheets in his collection and it never stops growing. ‘It’s alive!” he quips. Albertino believes that the stamp will never be replaced. “Even if it disappears as payment for a service, its rarity will maintain demand. People want to own precious things, things that other people cannot have.”

Always enamoured with the work of the impressionists, Albertino de Figueiredo has what he understates as a “little art collection”, comprising principally of paintings. “I have some 120 pieces, of which around half are of important.” He is talking about works of art by Renoir, Pissarro, Picasso, Miro, Vieira da Silva and one of the few examples of figurative paintings by Arpad Szenes, amongst others. The other half of the collection features work by young artists purchased for their aesthetic value.

“Collecting is expensive, but very interesting,” he declares.  Travelling the globe buying up stamps and art can at times be frustrating, particularly if a desired piece slips through his fingers. But on other occasions it can be very rewarding, especially if he purchases a huge lot.  “I’m not rich for being a spendthrift”, he says, before immediately correcting himself. “It’s not spending, it’s investing.” He admits that if he sold his stamp collection he would never be able to spend the proceeds. “I live off my salary,” he stresses, “which allows me to live well.” And, barring a catastrophe, he can’t imagine ever breaking up his collection, just as he can’t envisage ever retiring.

The works of art he acquires are distributed among the many houses he owns, in Madrid, Pamplona, Paris (a city he loves) and Monaco, where he spends long periods sailing or enjoying dining with friends.

In March 2006, works by Eduardo Arroyo belonging to the Albertino de Figueiredo collection will be exhibited at the Fundação das Comunicações, in Lisbon. It’s just one example of institutional collaboration that he wants to further promote. It also draws attention to the major role played by Albertino de Figueiredo and Afinsa in sponsorship and as a patron of the arts, particularly in Spain.

He visits Portugal once a month, both for business and leisure reasons. He owns companies in Portugal and works as a counsellor for the Internationalisation of the Portuguese Economy. He is also a governing member of the World Confederation of Entrepreneurs from Portuguese Communities, and president of the Spanish-Portuguese Chamber of Industry and Commerce in Madrid.

His affection for his adopted homeland is undeniable but this affinity has led on occasion to some tricky situations.

When he was invited to speak at a conference organised by students of Portuguese philology at the University of Santiago de Compostel he was persuaded to deliver his speech in Spanish. At the last moment, pressured by the other delegates, he had to translate it into Portuguese, directly. It wasn’t easy. Despite some similarities between the two tongues, he was very aware that his lack of practice with the Portuguese language might cause him to mispronounce his text. But, despite the quirks of language, Albertino is proud of his role as an unofficial global ambassador to Portugal and still considers himself a patriot and, above all, “very beirão”.



A collector’s world


empresário português radicado em madrid, Albertino de Figueiredo é um dos mais conceituados filatelistas do mundo

Para alguns a filatelia pode ser um passatempo pouco ou nada intrépido, mas para Albertino de Figueiredo foi a aventura de uma vida. A paixão pelos selos levou este beirão, residente em Espanha há mais de 40 anos, a fundar a que é hoje uma das maiores empresas mundiais de investimento em bens tangíveis e de colecção, Afinsa, líder no mercado da filatelia.

O gosto por coleccionar selos surgiu quando um amigo do pai lhe ofereceu as primeiras estampilhas. Albertino tinha oito anos. Formado em engenharia em Lisboa, quando rumou para Madrid para trabalhar na indústria automóvel, em 1965, levou consigo a sua “modesta” colecção, que “naquela altura não tinha mais de 200 folhas”. Um dia, corria o ano de 1975, recebeu o telefonema de um galego, comerciante de selos, que tinha a sua lojinha no centro da capital espanhola e que costumava conseguir selos portugueses. O comerciante acabara de adquirir uma peça que, sem dúvida, o interessaria. Pedia por ela o equivalente a três anos do ordenado de Albertino, então com 44 anos, director de produção na fábrica de automóveis.

“O que tem o coleccionismo é que o coleccionador está disposto a chegar ao limite das suas possibilidades para melhorar a sua colecção”- explica. Em Portugal acabava de receber a herança dos pais, mas nem Albertino de Figueiredo podia levar o dinheiro para Espanha - era o Verão Quente da Revolução dos Cravos e o Governo não permitia a saída de divisas -, nem o galego queria receber o dinheiro em Portugal. A solução proposta pelo vendedor foi que Albertino transformasse o dinheiro que tinha em Portugal em selos, “que passavam bem pela fronteira”, e ele próprio lhos compraria em Madrid.  “Eu sabia de coleccionar, mas nada do negócio dos selos”. Um amigo foi encarregue de comprar colecções em Portugal, a conhecidos e desconhecidos,  “até eu gastar tudo”.

A herança do pai, um homem de origem humilde mas génio empresarial, representava uma quantidade considerável, e o espaçoso Dodge que Albertino conduzia acabou carregado até à capota de pastas cheias de selos. Não foi fácil convencer a Guarda Fiscal de que aquela montanha de selos só tinha valor sentimental. Na fronteira de Vilar Formoso houve momentos de tensão. “Fiquei mais de uma hora a discutir o assunto com o comandante do posto”. No lado espanhol, a Guarda Civil percebeu logo que os selos representavam uma fortuna.

Em Madrid, Albertino de Figueiredo descobriu que o seu hobby podia ser também um grande investimento. “Sem que eu discutisse preços, o galego ofereceu-me o dobro do que eu tinha gasto. Vi logo que, se tivesse experiência, podia ter conseguido várias vezes mais”. Começou a empregar as férias em fazer estágios nalgumas das mais prestigiadas casas de filatelia, em Espanha, Inglaterra, Bélgica, Suíça, Itália, Estados Unidos... “Pareceu-me um bom negócio, mas estava mal feito. Ninguém fazia nada por prestigiar a filatelia. No espírito da gente estava que era uma brincadeira para crianças e reformados, e no fundo faziam-se grandes negócios escondidos, muito dinheiro. Era impressionante. Eu pensei em fazer algo diferente”.

Em 1980, Albertino de Figueiredo deixa a indústria automóvel e funda a Afinsa. “O primeiro passo foi dar ao mercado transparência; as pessoas começaram a ver o valor dos selos e isso beneficiou enormemente a filatelia”. Os números são elucidativos: desde o seu aparecimento em 1840, o selo postal revalorizou-se 13 000 vezes mais que o ouro. “É mais rentável que a banca, mais seguro que a bolsa e mais acessível que o imobiliário. No mundo haverá umas 800 grandes colecções, que representam grandes fortunas. Em Portugal haverá umas vinte”. Mas nenhuma como a sua.

Em 15 anos, Albertino de Figueiredo era o maior comerciante de selos do globo. Hoje, a Afinsa ultrapassa em muito qualquer outra empresa do ramo, “é praticamente única”. “Conseguimos que o público deixasse de ver a filatelia como uma actividade elitista, possibilitando que qualquer um, saiba ou não de selos, possa ganhar dinheiro com eles”. O Grupo Afinsa, com uma carteira de mais de 140 000 clientes e uns lucros brutos de mais de 50 milhões de euros, actua em seis países europeus, detém 70% do Grupo Escala, empresa cotada no Nasdaq norte-americano, e tem casas de leilão em Pequim e Hong-Kong. Intervém a todos os níveis do negócio dos selos - inclusive na edição de selos em várias antigas colónias portuguesas, numa tentativa de prestigiar as emissões nesses países, normalmente “nas mãos de piratas, que editam selos que nem os governos sabem que estão a ser vendidos” - e diversificou a sua actividade a outros valores, como a arte, a numismática e as antiguidades. Em Madrid tem duas galerias de arte, uma delas a maior da capital espanhola - “pelo menos em superfície” - , a Galeria Metta, e no Porto inaugurou a Galeria Afinsa Trindade, onde se deram a conhecer jovens artistas como Luís Coutinho e Pedro Bessa, agora nas mãos de quem fora sua directora, Paula Sá.

O rei dos passatempos
Para os conhecedores, os selos transmitem uma profunda cultura e narram a vida do país que os emite. “A filatelia é, desde as origens do selo, o entretenimento dos reis, portanto, é o rei dos entretenimentos”. Como fundador e actualmente Presidente Honorário da Afinsa e Presidente da Fundação com o seu nome, Albertino de Figueiredo é responsável por uma longa e intensa actividade para a divulgação da filatelia. Este empenho bem sucedido traz-lhe numerosas homenagens e reconhecimentos, entre eles a Ordem do Mérito da República Portuguesa.

A sua é a mais importante colecção de selos de Portugal que há no mundo, peças únicas. Tem mais de 5000 folhas e não pára de crescer, “está viva”. Acredita que o selo nunca desaparecerá, e “mesmo que desaparecesse como pagamento de uma taxa por um serviço, a sua raridade manteria a procura. As pessoas querem ter as coisas mais preciosas, o que os outros não podem ter”.

Apaixonado pelos impressionistas, além dos selos, Albertino de Figueiredo tem uma “colecçãozita” de arte, principalmente pintura; “umas 120 peças, das quais a metade é importante” - obras de Renoir, Pissarro, Picasso, Miró, Vieira da Silva e um dos poucos quadros figurativos de Arpad Szénes, entre outros. A outra metade são obras de jovens artistas, que comprou por gosto e “para guardar na adega”.

“O coleccionismo é caro, mas muito interessante”. Albertino de Figueiredo corre o mundo comprando selos e arte, às vezes sentindo a frustração de ver o objecto desejado a fugir-lhe entre os dedos num leilão, e outras levando a melhor parte. “Eu não sou rico porque sou um gastador” - mas imediatamente corrige - “não é gasto, é investimento”. Admite que se vendesse a sua colecção de selos não poderia gastar todo o dinheiro, mas sublinha, “eu vivo do meu ordenado, que me dá para viver bem”, e, salvo catástrofe, não pensa desfazer-se da sua colecção, da mesma maneira que não se sente capaz de se reformar.

As obras de arte que adquire estão distribuídas entre as várias casas que tem, em Madrid, Pamplona, Paris - “cidade que adoro” - e Mónaco, onde passa longas temporadas, goza dos jantares com os amigos, do mar e da vela, outro dos muitos prazeres que encontra na vida.

Em Março, obras de Eduardo Arroyo, pertencentes à colecção de Albertino de Figueiredo, estarão expostas na Fundação das Comunicações, em Lisboa. Nesta área da colaboração institucional, chama a atenção o papel destacado de Albertino de Figueiredo e Afinsa no campo do patrocínio e mecenato da arte em Espanha, e a sua pouca expressão em Portugal. Ele próprio parece algo surpreendido com esse facto. “Isso depende dos nossos funcionários em Portugal, quando encontram uma instituição ou iniciativa que nós podemos apoiar, pedem e nunca dizemos que não”.

um emigrante pouco saudosista
Nascido em Oliveirinha, distrito de Viseu, desde que pôs os pés em Espanha, Albertino de Figueiredo nunca pensou em voltar para Portugal. O reumatismo que o abalava desde os 15 anos passou-lhe assim que chegou a Madrid. “Uma semana em Portugal ou no Mónaco e voltam as dores” - o que não o impede de passar semanas embarcado,  “no Verão não há problema” - responde com jeito enérgico.

“Nunca me senti estrangeiro em Espanha” - afirma. Casado em terceiras núpcias, a actual mulher, Silvana, é italiana, mas as duas primeiras eram espanholas. Dois dos seus quatro filhos nasceram no país vizinho e fala espanhol com todos eles, pensa e sonha em espanhol. O porteiro da sua casa em Paris, também emigrante português, diz que lhe nota “algo estranho” na fala - “eu a ele não” - e Albertino sabe bem que, depois de mais de meia vida feita em Espanha, perde-se o acompanhamento da língua.

Quando foi convidado para falar num ciclo de conferências organizado para alunos de filologia portuguesa na Universidade de Santiago de Compostela - onde existe a Cátedra Albertino de Figueiredo -, deixando-se levar, apresentou-se com um discurso escrito em espanhol. No último momento, pressionado pelo resto dos oradores, teve que traduzi-lo no mesmo instante. Não lhe foi fácil, consciente de que a inércia podia traí-lo, como ao amigo espanhol que foi comer leitão à Beira, e quando lhe perguntaram se estava bom respondeu: está “esquisito” e não tem “graça” nenhuma, querendo dizer que era fabuloso e não tinha gordura. Acontece.

Porém, Albertino de Figueiredo não esquece que tem um papel como embaixador de Portugal no mundo. Considera-se um “patriota e, sobretudo, muito beirão”. Ali onde vai, tem histórias para ilustrar a “beleza, naturalidade, autenticidade e a hospitalidade” do seu país.

Todos os meses vem a Portugal, por lazer ou para tomar conta de algum negócio. Em Portugal tem empresas, e para Portugal trabalha como Conselheiro para a Internacionalização da Economia Portuguesa, é membro directivo da Confederação Mundial dos Empresários das Comunidades Portuguesas e Presidente da Câmara de Indústria e Comércio hispano-portuguesa, em Espanha. Nesta faceta, no entanto, não pode evitar algumas críticas e constatar algumas limitações . Na sua agenda está uma entrevista com o director do porto de Sines. “É incrível que os portos para o comércio entre Espanha e a América sejam os do Mediterrâneo enquanto que Sines, um dos melhores portos de Europa, não tem trabalho. Os portos naturais para o Atlântico estão em Portugal, Madrid precisa de esses portos e eu vou tentar solucionar isso”. Por outro lado, lamenta que em alguns sectores ainda se pense que “de Espanha, nem bom vento, nem bom casamento”, perpetuando uma desconfiança provinciana e retrógrada, e ainda o pouco atrevimento dos empresários portugueses, com algumas excepções. “Choca, por exemplo, que não há um armazém de vinhos portugueses em Madrid” - e acrescenta com tom determinado - “com esta atitude, carecem de sentido as iniciativas de promoção”. 


Text and photos kindly supplied by BPCC Member: Open Media

PartnersNBiz


Essential Lisboa - Feb/Mar 2006