Domingos Piedade

domingos-piedade image

Client:

Website: http://



Life in the fast lane - Domingos Piedade - an international figure in the world of motoring



With the deafening blare of race day at Estoril Racetrack ringing in our ears - a noise that Domigos Piedade is more than comfortable with - Essential met up with the AMG-Mercedes director about Formula One, his admiration for Ayrton Senna, and a life lived to a hectic rhythm of speed and passion.

The Portuguese are used to the voice of Domingos Piedade. Up until a few years ago every Sunday lunchtime you could hear him eruditely commenting on Grand Prix races. But his passion for motor sports developed way before this. Domingos Piedade recalls his adolescence and a rebellious nature that forced his parents to send him to study in the Colégio Nuno Álavres in Tomar. While at college he met João Carlos Botelho Moniz, and went with him to see a car race in which his friend was taking part. The first seeds were planted in a future that would blossom first when in 1962 he swapped Portugal for Germany. Here he gained a degree in mechanical engineering and subsequently in economics, and began writing regularly for publications such as Motor, Volante, AutoSport, and L'Équipe (in France). Thus his love for the motoring world grew in parallel with another of his passions - journalism. Jokingly, he tells us that the reason why he didn't pursue a career in journalism was because his father once said to him "a woman who can type is a secretary; a man who can type is a journalist".

In 1969 he met Emerson Fitipaldi, and became his manager in 1972. In the time they worked together Fitipaldi was twice crowned Formula 1 champion and twice vice-champion. He then became Ayrton Senna's manager, with whom he worked two years and for whom, in 1984, he negotiated the contract that would lead to the driver's collaboration with Lotus. In 1985 he became Michele Alboreto's manager. He was also sports director for Alfa Romeo (winning a world championship title), for Jost-Porsche (winning Le Mans three times), for Fiat-Lancia and for Mercedes, with which he is still working today. He tells us that, much like when he was a rally co-pilot, where one of his main tasks was to find loopholes and ways to get round technical regulations, today the secret to Formula One lies in doing something better than anyone else, covertly, "to hide what's legal".

He explains there are two basic phrases in the world of motor sports: "When the flag drops the bullshit drops," and "to finish first you have first to finish". Major strategic changes while a race is still underway can irretrievably jeopardise the end result. The race strategy is defined by the sports director, a role Piedade compares to a chess player: he has to imagine in a fixed moment and with fixed information (fuel carriage when the car starts, acceleration, performance of competitors, etc.) the possible developments for a given result - checkmate in chess - and successively retrace all of these moves back to the moment in which he finds himself. But what role does the driver play if everything seems to be decided and determined by the technical team? Without hesitating Domingos Piedade replies: "He is an increasingly important player." In fact, the execution of the defined strategy or of a change in strategy is dependent on him. Pidade explains that there are drivers that only manage to talk when the on the straights; others that can't talk at all during the race; and then other drivers like Michael Schumacher, for whom driving comes as naturally as talking and who is able to talk or even sing throughout the race. Schumacher is the only driver until now, with the exception of Ayrton Senna in 1993, who has won a race after making four pit stops (to change tyres and refuel) when only three pit stops were planned - two years ago, in Magny-Cours, France. He talks of Ayrton Senna and refers to him as the best of all time. He had the unique ability to see his surroundings in "super slow motion". If you drive at 30 km/h you can make out every detail; at 300 km/h everything is a blur. He could see everything because his mind reduced the speed of image processing in his brain. Piedade recalls a training session, in 1984, when on returning to the box at the session's completion, Senna made a complete and exhaustive technical analysis of the car's problems and what needed to be done to fix them. What Ayrton Senna identified immediately would be confirmed minutes later by the computer system. His briefings with team technicians were like university lectures. In Domingos Piedade's words "he was absolutely amazing, supernormal". There's obviously no need to ask him which driver touched him the most, professionally and personally. Unable to hide his emotion he admits that Ayrton Senna "is one of the very few people I pray for everyday". He remembers the day Ayrton died as if it were yesterday. On that fateful day, May 01 1994, Piedade was in China, watching the San Marino Grand Prix on television. Besides this particular race, which he remembers for the pain it caused him, Domingos Piedades lists two other Grand Prix races that have left their mark. "Saturday, September 24 1986, the Portuguese Grand Prix, and the day I met Ana Paula Reis, my wife," he tells us with broad smile on his face, "and Donnington, Great Britain, 1993, where it rained for everyone except Ayrton, who gave the crowds a real show in driving." For Piedade, Ayrton is a constant, for the best and worst of reasons. Referring again to that fatal San Marino Grand Prix, he explains that despite the immensity of the images, his absence from the race enables him backtrack his last memories of his friend to a few days he spent with Ayrton on his estate in Brazil, three months prior to race. The same is true of Stefano Casiraghi, who had invited Piedade, amongst other friends, to come and watch him in what he jarringly prophesised as his last race; Casiraghi's invitation to his friends was a T-shirt, with an image of his boat on it and the words "Come and see my last race". For Piedade, the tragic death of friends like Ayrton, Casiraghi, Alboreto or Adriano Cerqueira leave a telling mark on a person's existence and cause your attitude towards life to change drastically, helping you to see things is much more relative terms. Domingos Piedade is joint CEO of Daimler-Chrysler. From the end of year he will become its global chief for the high-end market. He flies 800 hours a year and drives some of Mercedes' most powerful cars. For the moment he is driving a prototype CLS 55, with a 620 bhp, six-litre engine. But how can a marriage survive life in the fast lane? He replies that he is lucky to have a wife that supports him and has always supported him, who gave up her television career to join him when he moved to Mercedes AMG headquarters in Stuttgart. Grinning, he defines his marriage as a "long distance durable relationship".

His passion for watches may well stem from his lack of time. But it's not just any old watch, they have to have a meaning. "A watch has to tell us something, it has to have a history to it, be part of a limited edition, be made by someone in particular, or be the result of a partnership, as in the case of Mercedes AMG and IWC." His counts Jack Heuer, Carlos Dias, president of Roger Dubuis, and Georges Kern amongst his friends. He has passed on this interest to his children, and especially his eldest son. He goes on to reveal that he is very superstitious, somewhat surprising in a man who moves in a world governed by precision technology. If, for example, he has a particularly successful day, he wears the same watch the following day. When he was involved in the Grand Prix circuit none of his drivers ever had no.13.

Domingos Piedade is also managing director of the Fernanda Pires da Silva Racetrack. When will this venue be able to welcome a Formula One Grand Prix again? He gives us realistic view of the matter, telling us that Portugal's days are over. Portugal is part of a Europe with 25 member states. It lies 2500 km from the centre of Europe and 1200 km from the closest Grand Prix venue. What more do we have to offer than the other 24 countries? For us to play a role another European country would have to drop out. The pertinent issue at the moment is that Formula One is heading eastwards from Europe, as Asia has more to offer than the West. For example, to acquire a Formula 1 franchise in Europe you pay 18 million dollars. China pays 30 million and Bahrain 22 or 25 million. Plus, in the East "there are none of the limitations that we voluntarily subject ourselves to in the West. In Asia, for example, a race can be called the Marlboro Grand Prix."

Domingos Piedade is one of the council members for the Internationalisation of the Portuguese Economy of the World Confederation of Businessmen from Portuguese Communities. Referring to this, he tells us that there is a conflict between the objectives of this initiative and the professional situation of its council members.

"We all hold executive posts in companies but any national interest from an economic perspective is made first of all in terms of our profession; in carrying out our functions as council members we should react and not be bogged down by the initiative." He also believes that the members are a group of people representing distinctive interests and believe that this should be separated into more specialised areas - social, cultural and economic matters -where the professional experience of council member could be duly used.

And what about Portugal's image abroad? For Domingos Piedade, the problem with Portugal's image lies in a much broader context, that of Europe itself. He believes that Europe is currently suffering from a crisis of leadership, in which no European leader has a powerful image beyond the confines of Europe, and this has a bad effect on the image of countries.

With his knowledge of other countries can he imagine coming back to live in Portugal? Demonstrating a greater tolerance, he reveals that he is "more capable now of imagining a time when he might live here."



Life in the fast lane - Um português na linha da frente do automobilismo mundial



Aor entre o ruído ensurdecedor de umas corridas que decorriam no Autódromo do Estoril, mas que fazem Domingos Piedade sentir-se em casa, o Administrador da AMG-Mercedes, empresa do grupo DaimlerChrysler falou com a Essential sobre a Fórmula 1, a admiração por Ayrton Senna e uma vida vivida ao ritmo e velocidade das paixões.

Habituámo-nos, há alguns anos atrás, aos domingos, à hora de almoço, a ouvir Domingos Piedade comentar os Grandes Prémios de Fórmula 1. Mas a sua paixão pelo desporto automóvel é anterior a isso. Domingos Piedade recorda a adolescência e o facto de o seu espírito algo rebelde ter levado os pais a mandarem-no para o Colégio Nuno Álvares, em Tomar. No colégio conhece João Carlos Botelho Moniz e vai com ele assistir a uma corrida de automóveis, em que o pai do amigo participa. Estava criado o embrião que se desenvolveria quando em 1962, depois de terminado o curso dos liceus, troca Portugal pela Alemanha. Aí licencia-se em Engenharia Mecânica e posteriormente em Economia e escreve regularmente para publicações desportivas como o Motor, o Volante, a AutoSport, ou o L'Équipe (em França).  O gosto pelo mundo automóvel nasce assim em paralelo a uma outra paixão sua - a do jornalismo. Só não seguiu jornalismo, diz-nos em tom de brincadeira, porque o pai lhe dizia que "uma mulher que soubesse escrever à máquina era secretária; um homem que soubesse escrever à máquina era jornalista".

Em 1969 conhece Emerson Fittipaldi, tornando-se seu manager em 1972 - com ele, Fittipaldi é 2 vezes campeão do mundo e 2 vezes vice-campeão. Mais tarde, representa Armando Botelho, o manager de Ayrton Senna na Europa , com quem trabalha 2 anos, negociando em 1984 o contrato que viria a ligar o piloto à Lotus. Em 1985, passa a manager de Michele Alboreto. Foi ainda director desportivo das equipas da Alfa Romeo (venceu o Campeonato do Mundo em 1975), da Joest-Porsche (venceu Le Mans por 3 vezes), da Fiat-Lancia na Alemanha com Walter Röhrl e da Mercedes Benz, empresa à qual está ligado ainda hoje. Diz que à semelhança do que acontecia quando era co-piloto de ralis, em que uma das principais funções que tinha era ver num regulamento técnico e desportivo quais as hipóteses que havia de o contornar, hoje o segredo na Formula 1 é fazer algo melhor do que os outros, escondido, "to hide what's legal". Refere duas frases  basilares no automobilismo: "When the flag drops, the bullshit stops" e "to finish first, you have first to finish". Alterações profundas de estratégia quando uma corrida está a decorrer, são vitais para o resultado final.  A estratégia da corrida é definida pelo director desportivo, que compara a um jogador de xadrez: tem que imaginar num determinado momento e com determinadas informações (quilos de combustível, com que o carro largou na corrida, degradaçao dos pneus, tempos por volta dos adversários mais directos, onde estão eles na classificação e posicionamento na pista etc.) os desenvolvimentos possíveis para um determinado resultado - no xadrez, o xeque-mate - e seguidamente voltar todas essas jogadas atrás, ao momento em que está. E qual o papel reservado ao piloto quando tudo parece decidido e determinado pela equipa técnica? Domingos Piedade diz sem hesitações: "É a  pedra chave executante cada vez mais importante." De facto, a execução da estratégia definida ou de uma alteração desta estratégia depende só dele. Diz que há pilotos que só conseguem falar quando estão na recta da meta, ou seja, quando têm contacto visual com a equipa; há outros que não conseguem falar durante toda a corrida, só escutam e dizem OK  e mais nada; e depois há os pilotos como o Michael Schumacher, em que conduzir é tão natural como falar e é capaz de conduzir e falar ou mesmo cantar ao longo de toda a corrida, esteja ele numa curva de alta velocidade, ou em travagem para um gancho apertado. Schumacher foi o único piloto que até hoje, com excepção do Ayrton em 1993, venceu uma corrida de Formula 1 com 4 pit stops (paragens para substituição de pneus ou reabastecimento) quando estavam previstos apenas 3 pit stops, há 2 anos em Magny-Cours, França. Recorda Ayrton Senna e diz que ele era superior a todos os outros. Tinha a capacidade única de conseguir ver a realidade envolvente em "super slow motion"; se andarmos a 30Km/h vemos todos os pormenores; a 300km/h não se vê nada. Ele conseguia ver tudo porque a mente dele desmultiplicava a velocidade de processamento da imagem no cérebro. Relembra o primeiro teste do paulista com a Lotus-Renault, no Rio de Janeiro, em fins de 1984. Ayrton, ao parar na box, faz uma análise técnica completa e exaustiva aos problemas que o carro tinha e dá todos os dados dos instrumentos ao mesmo tempo, desde a temperatura de água/óleo, a pressão do turbo à entrada e à saida das curvas, a oscilação do in-let e out-let em termos de aquecimento, etc, etc. O que Ayrton identificava de imediato viria a ser confirmado minutos depois pelo sistema informático, pela chamada black-box, após os técnicos disporem dessas informações pelo print, já que naquele tempo não havia ainda a telemetris directa, como é vulgar hoje em todas as equipas. Os seus briefings com os técnicos da equipa eram verdadeiras aulas da Universidade Técnica. Domingos Piedade diz que "ele era simplesmente fenomenal, fora do normal". Não era pois necessário perguntar-lhe qual o piloto que mais o marcou, quer a nível profissional como pessoal. Com indisfarçável emoção confessa que Ayrton Senna "é uma das pouquíssimas pessoas por quem rezo quase todos os dias". Recorda como se fosse hoje o dia da morte de Ayrton, 1 de Maio de 1994, em Imola, quando se encontrava na República Popular da China e assistia à corrida pela televisão. Para além do Grande Prémio de 1994, que Domingos Piedade recorda por razões tristes, refere 2 dois outros GP que o marcaram: "Sábado 21 de Setembro de 1986, Grande Prémio de Portugal, dia em que conheci Ana Paula Reis, a minha mulher", diz com um sorriso largo, "e Donington, Grã-Bretanha,1993, em que chovia para todos menos para o Becão, que deu um verdadeiro show de condução". Ayrton sempre presente, pelas melhores ou piores razões. Ainda a propósito do GP de San Marino (Ímola), refere que, apesar de tudo, como não estava presente e tinha estado 3 meses antes a passar uns dias com Ayrton na sua fazenda, no Brasil, recorda-o dessa altura, ou seja, vivo, alegre e feliz. Assim como a Stefano Casiraghi, que o tinha convidado em 1990, entre outros amigos, para assistir àquela que premonitoriamente definiu como a sua última corrida; o convite de Casiraghi aos amigos era uma T-shirt, com o seu barco, onde se lia "Come and see my last race". Diz que a morte de amigos, como Ayrton, Casiraghi, Alboreto ou Adriano Cerqueira em circunstâncias chocantes, são factos que marcam muito a existência de uma pessoa e fazem com que a sua atitude perante a vida tenha mudado, relativizando muito mais as coisas.

Domingos Piedade é Administrador da DaimlerChrysler. A partir de Janeiro de 2006, vai ser o Executive Senior Adviser mundial para todos os produtos high-end da MCG, a divisao automóvel do Grupo. Viaja 800 horas por ano de avião e conduz alguns dos carros mais potentes que a Mercedes fabrica. Actualmente, conduz um protótipo do CLS 55, motor de 6L e 620 cavalos. Como é que um casamento sobrevive a esta vida a 1000 à hora? Diz-se afortunado por ter uma mulher que o apoiou e apoia sempre, tendo abdicado da sua carreira na televisão para o acompanhar quando se estabeleceu na sede da Mercedes AMG em Estugarda, além de uma família unida com quatro filhos, quatro netos, duas noras, uma mãe porreira e... até uma sogra sem discórdia. Com um sorriso, define o seu casamento como uma "Perfect and happy long distance relationship".

Quem sabe deve-se ao tempo, ou melhor, à falta dele, a paixão que nutre por relógios. Mas não são todos, têm que ter significado. "O relógio tem que nos dizer qualquer coisa, tem que haver uma história por trás, ou são edições limitadas, ou foram feitos por alguém em especial, ou são fruto de uma parceria, como a da Mercedes AMG com a IWC". É amigo, entre outros, de Jack Heuer, Carlos Dias, Presidente da Roger Dubuis e Georges Kern, da IWC. Passou este gosto para os filhos, em particular para o filho mais velho e revela-nos que é muito supersticioso, o que é surpreendente num homem que se movimenta num mundo dominado pela tecnologia de precisão. Se, por exemplo, um dia lhe corre particularmente bem, no dia seguinte usa o mesmo relógio. Quando estava ligado às corridas, nunca nenhum piloto seu viu um "13" mostrado no painel da box.

Domingos Piedade é também Administrador do Circuito do Estoril. Quando é que este local poderá acolher novamente um GP de F1? Dá-nos uma visão realista da questão. Diz-nos que o nosso tempo já passou. Estamos inseridos numa Uniao Europeia com 25 países membros, distamos 2 500 Km do centro da Europa e 1 200 Km do Grande Prémio mais próximo. O que temos para oferecer a mais que os restantes 24 países? Para nós entrarmos teria outro país europeu que sair. Hoje a questão que se coloca é ver-se a F1 a sair mais da Europa, já que os valores cobrados no Médio Oriente e na Ásia em geral sao bem mais elevados; por exemplo, para na Europa se adquirir um franchise de F1, paga-se 18 milhões de dólares; a China paga 30 milhões mais os direitos de TV e o Bahrain  25 milhões. Além de que no Oriente "não existem as limitações de publicidade a que nos sujeitamos na União Europeia, com promoção livre ao tabaco e ao álcool, mesmo como patrocinador principal de um Grande Prémio."

Domingos Piedade é um dos Conselheiros para a Internacionalização da Economia Portuguesa, uma organização que faz parte de uma nova diplomacia económica portuguesa integrada no MNE, mas de índole apartidária. "Somos um grupo de quadros superiores de multinacionais nacionais e estrangeiras, a residir fora do nosso país, que, na minha opinião, deveriam ser muito mais utilizadas como consultoria complementar pelos órgãos oficiais portugueses, nas suas actividades económico-financeiras, político-sociais e culturais, nos países onde estamos inseridos, até porque, contrariamente ao que acontece nas nossas vidas profissionais, este desempenho faz-se "por amor à camisola e um portuguesismo que não se esquece."

E a imagem de Portugal no exterior? Para Domingos Piedade, o nosso problema de imagem insere-se num contexto mais vasto que é a própria Europa. Considera que a Europa enferma hoje de uma crise de liderança pois não existe nenhum líder europeu com força no exterior, o que debilita a própria imagem dos países. "Os tempos de carácteres políticos fortes, como Kohl, Mitterand, Thatcher, Brandt,Schmidt, no centro da Europa, ou líderes partidários como Berllinguer, Strauss, Marchais, Cunhal,Soares, Sá Carneiro, numa Europa mais ao Sul, tendem a desaparecer. Os jovens precisam de ídolos também nas Ciências Políticas, alguem que lhes ensine na "crossroad" da vida o que é a esquerda, a direita ou o centro. Tarefas difíceis para os políticos de hoje em actividade ou em re-actividade."   

Com o conhecimento que tem de outros países, encararia a hipótese de voltar a viver em Portugal? Diz-se mais tolerante e "capaz de ter hoje um melhor entendimento do que antes para viver cá, até porque também estou mais velho e gostaria de paralelamente retribuir algo que o meu País deu, ver crescer os meus filhos mais novos e os meus netos."


Text and photos kindly supplied by BPCC Member: Open Media

PartnersNBiz


Essential Lisboa - Dec/Jan 2005/6
Text: Carla Marreiros
Photos: Alma Mollemans/ Paulo Barata

Projects